Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | Entrarrss

 

 

CDzinha e o corno chupando e fudendo o time todo

  • Publicado em: 11 de abril de 2009 03:10
  • Expira: Nunca!

Detalhes do Conto Erotico:

Oi pessoal! Meu nome é Renata… tenho 23 anos, 53 kgs, 1,63m de altura, sou magra, loira, olhos verdes e malhada. Tenho seios médios, coloquei silicone quando tinha 20 anos, bunda grande e um membro médio que diminuiu muito desde que comecei minhas sessões de hormônios. Podem achar isso estranho vindo de uma pessoa que teve uma enorme mudança no corpo, mas sou bissexual (ativa e passiva), sempre tive atração por homens e mulheres, admiro muito o corpo feminino, o suficiente para ter desejado realizar essa mudança.

Recebi e-mails perguntando como eu era quando era homem (se não te interessa pula direto para o próximo parágrafo). Eu era ruivo com sardas, físico magro, nunca fui de praticar esportes, também sempre fui o mais baixo da minha turma, sim, me interessava por mulheres, porém acabei me interessando pelos dois lados, acabei percebendo que eu tinha um jeito mais feminino que masculino e um tesão enorme por roupas femininas, isso ajudou na minha mudança.

Bem, eu já contei como eu comecei a usar lingeries e roupas femininas sendo esse o primeiro passo para minha mudança sexual, tive um relacionamento com meu vizinho João que foi meu primeiro macho, sua mãe Dr. Ana aceitou bem nosso relacionamento e me ajudava comprando roupas e escondendo o meu segredo. Um tempo depois ela me levou a um médico onde fui castrada (para quem não entende o termo, tive os testículos removidos) para dar início a minha sessão de hormônios e com isso as mudanças do meu corpo que não era tão masculino devido ausência de pelos e ser um corpo magro, para o desenvolvimento de um corpo feminino, meus seios e minhas curvas começaram a aparecer. Consegui esconder de minha família por um bom tempo, mas um dia eu e João fomos chantageados por outro vizinho, Guilherme, o meu segundo macho (tudo isso foi contado em outros contos… divido essa conta com minha prima e o ex-namorado dela, agora você me pergunta, por que dividir a conta? Simples, nossos contos estão semi-ligados, se você tem interesse pelas histórias, é melhor que todas estejam agrupadas) com quem acabei transando para manter meu segredo, nessa época meu corpo ainda estava mudando. Dr. Ana foi quem me ajudou a assumir meu lado mulher perante minha família, terminei o último contando no nosso momento de loucura e depois sobre a reação de meus pais.

Dr. Ana me produziu toda, um vestido vermelho, com uma sandália prata de salto, passei maquiagem e coloquei a peruca dela que usei pela primeira vez, uma preta estilo cleópatra. Ficamos na sala conversando e ela tentando me deixar mais calma e conseguiu por um tempo, até minha mãe e minha irmã chegarem em casa. As duas abriram a porta e depararam comigo travestida sentada no sofá. As duas ficaram assustadas e eu também com a reação delas, Dr. Ana foi um anjo, ela me acalmou pediu para minha mãe sentar e começou a explicar tudo para ela, falando que eu tinha ido até ela pedir conselhos e etc (claro que não ia falar que eu era namorada do filho dela, um passo de cada vez). Depois de muita conversa minha irmã visivelmente chateada foi para o quarto, minha mãe ficou comigo na sala e Dr. Ana foi embora deixando nos duas para conversar. Ela perguntou se eu tinha certeza que era isso que eu queria, disse que sim, mais do que nunca, me sentia bem assim, só tinha medo do que ela e minha família pensaria. Ela disse que me amava acima de tudo e que iria me apoiar nessa decisão, porém temia por meu pai que é machista extremo. Ao menos ele estava viajando e só chegaria no dia seguinte, tempo suficiente para pensarmos em algo.

Bom, tudo esclarecido, fui até o meu quarto colocar algo mais confortável, coloquei minha camisola azul e fui para a sala ver tv, no caminho minha irmã me chamou para o quarto dela, conversamos, ela pediu desculpas pela reação e que iria me apoiar também. Me perguntou como isso começou, fiquei com vergonha em falar que foi usando as roupas dela, mas ela me perguntou se foi. “Bem que eu percebi que tinha muita coisa fora do lugar… tem que ser mais cauteloso maninho, quer dizer maninha”, me senti a vontade.

Para o meu azar, meu pai retornou um dia antes da viagem, me pegou na sala do jeito que estava, de camisola. Ele quase caiu duro, minha mãe tentou acalmá-lo mas não conseguia, o homem estava furioso! Xingou diversas coisas e perguntou a quanto tempo isso acontecia nas costas dele, falei que há alguns meses, ele disse que tinha reparado que meu corpo tinha mudado e estava achando isso estranho. Me xingou e falou que eu não iria continuar com isso, foi quando disse algo que quase matou ele e me rendeu um soco na cara “Não importa o que você quer! Deixei de ser homem no dia que arrancaram minhas bolas!”. Fiquei tonta e assustada, ele foi embora. Eu falei com minha mãe que não queria passar a noite ali, que iria para casa da Dra. Ana, contei tudo para ela e ela cuidou de mim. Fiquei na casa dela por uns dois meses até meu pai me aceitar de volta, mas isso é para outro conto, já falei coisas tristes demais e todos queremos saber de uma coisa, como foi a safadeza que fiz com meus homens nesse meio tempo.

Dormia sempre com João, transávamos quase sempre que podíamos, adoro principalmente sexo pela manhã, uma delas particularmente eu achei bem diferente e interessante, estávamos um pouco bêbados e ele tinha acabado de gozar na minha bunda, me perguntou qual era a sensação e por que eu gostava tando de ser penetrada, falei que era uma delícia sentir algo dentro de mim e o melhor, gozar sem mesmo encostar no pênis, ele disse que queria experimentar, assustei na hora, mas achei tudo muito excitante, o macho que sempre me come iria dar para mim. Ele no começo ficou com medo “João, meu membro é bem menor que o seu, se eu dei conta do seu, não se preocupe… relaxa querido” virei ele de costas abri suas nádegas e comecei a lamber seu cuzinho, vi que ele respondia bem, gemendo e rebolando, o que o álcool não faz com as pessoas? Peguei um pouco de KY e passei na entrada de seu cu enfiando um dedo, ele contraiu “Relaxa querido, é muito mais gostoso se você relaxar”, meu dedo saia e entrava devagar, coloquei mais um, ele contraiu de novo e relaxou. O terceiro entrou com facilidade, pronto… caminho aberto. Coloquei KY na cabeça do meu membro que estava duro e enfiei devagar até entrar tudo, ele reclamou de dor, “Já disse para relaxar! Se você não relaxar vai doer mesmo! Confie em mim!” ele me obedeceu, comecei a por e tirar devagar, ele começou a gostar. Eu de babydoll preto e calcinha comendo o meu macho, era uma situação bem diferente e gostosa! Ele gemia e eu gemia junto, seu membro estava duro, comecei a masturbá-lo enquanto comia seu cu. Era muito tesão de nos dois. Parei de masturbá-lo e fiquei apenas segurando seu membro e dando estocadas no seu rabo, ele gemia muito. “Goza gostoso… para sua namorada… eu quero ver você gozar pelo cu igual eu” ai… era eu quem ia gozar, estava muito bom! Não aguentei segurar e gozei no cu dele, continuei dando estocadas sem que ele perceber que eu tinha ido… não demorou muito e vi aquele homem sujar minha mão com seu leite, ele gozou pelo cu, igual eu pedi. Limpei tudo que ele tinha sujado com seu líquido e lambi o meu que escorria da sua bunda, era pouco, mas era porra. Dormimos juntos.

Pela manhã João foi para o futebol e eu fui arrumar a casa, Dra. Ana estava acordada e me perguntou cadê o filho, nem precisei responder “Aquele cretino do meu filho até hoje não te assumiu?” disse que não, “Faz o seguinte, vai lá assistir… você não deve nada para ninguém, quem devia saber já sabe e outra coisa, Guilherme estará lá, aposto que ele está ansioso para te ter mais uma vez!” não entendi! Minha sogra sugerindo que eu traísse o filho dela? “Olha Renata, eu amo meu filho, mas se ele não é homem para assumir um mulherão como você, você merece mais, além disso sei que assim como eu você gosta de um bom sexo! Meu filho não é o único que pode te dar isso! Vai lá no jogo! Na melhor das hipóteses você ganha mais uma foda com Guilherme, na pior meu filho de assume, você só tem a ganhar! Não se preocupe, você sempre será uma filha para mim”.

Aquelas palavras me deram forças e claro, tesão! Vesti um tomara que caia com um sutiã preto de taça, finalmente já tinha alguma coisa para colocar nele, coloquei uma mini saia com uma calcinha fio dental preta, meias estilo colegial e uma melissa, passei um batom claro, lápis de olho e reparei que a partir daquele dia não precisaria mais de peruca, meu cabelo já estava longo (até os ombros) tinha voltado a cor natural, ruivo e ondulado. Fui a pé para o campo que ficava a 2 quarteirões de onde morava, ganhei o dia passando em frente a obra e sendo chamada de gostosa pelos pedreiros (Ei! Até um tem atrás eu era homem, elogios são bem vindos).

Cheguei no campo e sentei na área de visitantes. Demorou um pouco mas João percebeu minha presença e ficou pasmo. Não sabia se vinha tirar satisfação se me ignorava, optou pela última opção, um completo covarde. Um tempo depois Guilherme me viu, na hora pediu substituição e veio conversar comigo “E então Renata… aparentemente seu “macho” ali ainda não te assumiu né?” disse que não, que isso era frustante, continuamos a conversar, as vezes olhava para o campo, João ainda passava e olhava com ciúmes porém não tomava atitude.

“Sabe Renata, um mulherão como você não merece aquele frouxo… por que você não larga ele e fica comigo?” disse Guilherme.

“Você assumiria um relacionamento comigo? Na frente de todos os seus amigos?” perguntei

“Com uma gata feito você e com essa bela bunda? Como não?”

“Ah é? Eu duvido!” respondi. “Ia ser igual ao João, entre as paredes sou sua mulher, em público nem me conhece. Aquele safado curte me comer, curte meu membro mas nunca vai admitir!” eu falei.

“Vem cá comigo” disse ele me puxando. Entramos no campo e todos pararam e nos olharam “Senhores, essa é minha namorada Renata, vocês já conhecem ela como Renato, sim, ela era um rapaz e eu não tenho o menor problema com isso, na verdade é o melhor sexo que já tive na minha vida, alguém tem um problema com isso?”

Todos ficaram assustados, João com a cara caída, eu nunca senti tanto tesão por alguém na minha vida! Finalmente um macho suficiente para me assumir. Ele me beijou na frente de todos enquanto ouvia as resposta “Nada cara, se você são felizes beleza! Parabéns! Renato, quer dizer Renata… parabéns também virou um mulherão!” foi um dos vários comentários positivos que ouvimos.

Guilherme me abraçou e estávamos saindo do campo quando falei “me leva para o vestiário e me come agora!” ele me obedeceu sem pensar, entramos e encostamos a porta. Aparentemente os jogadores perceberam isso. Mal entramos no vestiário e beijávamos loucamente, ele chupava minha língua com vontade e eu enfiei minha mão dentro de sua calça para encontrar seu membro que já estava duro. Caí de boca engolindo ele todo, massageava as bolas enquanto isso, Guilherme gemia, enquanto isso ele afastava o meu tomara que caia e o sutiã revelando meus seios pequenos. “Seus seios estão lindos Renata, maiores do que antes… você está virando um mulherão.. chupa minha rola vai!” que tesão ouvir isso dele, eu chupava mais e mais, punhetava, lambia, delirava com aquela tora só para mim. As gotas escorriam na minha língua, cada gota de porra era um incentivo para aumentar a velocidade para sentir o seu gozo preenchendo minha boca. Não demorou muito e Guilherme gozou em uma enorme quantidade, escorria pelo meu rosto até meus seios descobertos, mas a maior parte descia pela minha garganta ao encontro do meu estômago. Meu macho tinha me dado seu néctar e eu agradecia engolindo tudo que podia.

“Uau Renata.. você chupa muito bem!” disse Guilherme.

“Ah é? Então que tal emprestar sua namorada para os amigos Guilherme?” eram os nove jogadores e João que estavam assistindo tudo.

“Não sei caras.. eu não sou ciumento, depende só dela…” disse Guilherme

Eles olharam para mim e eu não resisti, fiquei de quatro de costas para eles e falei “Quem vem primeiro? Dou conta até de dois por vez!”

Eles começaram a se despir, João hesitou, mas se despiu também, eu tirei a saia e o tomara que caia ficando apenas de calcinha e sutiã, meu tesão era grande e fazia um enorme volume na minha calcinha.

“Rapazes, como podem ver, minha boneca está com um tesão enorme, vocês vão se aliviar nela, mas ela também tem que ser aliviada, alguém se candidata?” perguntou Guilherme. E o machismo tomou conta da sala, ninguém se apresentava… “Renata, nada mais justo do que você escolher um, né? Todos concordam que quem ela escolher tem que aliviá-la?” hesitaram novamente e aceitaram, a chance era de 1 para 10… ao menos na cabeça deles, eu já sabia quem ia ser. “Ta bem… eu quero… hmmmm… o mais machista de todos que é o João!” João se assustou e recusou, mas todos falaram que trato era trato e ele continuou recusando, até Guilherme falar “Cara, tu é mesmo muito babaca! Prefere ver 10 caras transando com sua mulher do que assumir? É por isso que você vai perder ela hoje para agente!” ele ficou sem o que falar e eu fiquei com pena dele, puxei ele e falei “Querido, pare com isso! Todo mundo já sabe agora! Olha que ponto chegamos! Assuma e aproveite!” levei sua mão ao meu membro, ele hesitou e começou a me punhetar. Todos comemoraram “finalmente uma decisão de macho!”.

Me ajoelhei e João se ajoelhou junto, ele tirou o meu membro para fora da calcinha e caiu de boca, os outros rapazes não perderam tempo e chegaram próximo colocando o pênis de fora para que eu pudesse chupar um por um. Aquele tanto de pênis ao meu redor, batendo no meu rosto, entrando na minha boca, nunca pensei que viveria uma situação desse jeito. Todas aquelas rolas pingando de tesão por mim e eu sendo chupada pelo meu corninho. Guilherme assistia tudo sentando em cima da pia se punhetando. Tiraram minha calcinha e meu sutiã, me deixando completamente nua, agora era a hora da verdade e mais elogios “Renata, você tem um corpo muito gostoso… mal posso esperar para te comer” “Você é linda, gostosa!” chupavam meus seios enquanto eu chupava um membro, exploravam meu cuzinho passando a língua e depois colocando o dedo e tudo isso no meio de elogios ao meu corpo. Era demais para mim, eu gozei na boca do meu corninho. Fiz questão de anunciar “Ai to gozando… continuem… vai!!!” como sempre saiu pouco líquido e João chupou tudo. “Quero que me comam….” falei.

Guilherme se levantou e falou “eu sou o primeiro, ela é minha!” João nem discutiu de volta, estava submisso… aproveitei esse momento e peguei em seu membro “Querido… lembra de ontem? É sua chance também… você quer?” ele hesitou novamente “Droga João, uma vez na vida se entregue ao prazer!” ele já estava humilhado e falou “Ta bem… mas então quero fazer igual você” ninguém entendeu o que falávamos “se te conheço bem você já veio com a ideia de dar para mim ou outro e sei também da sua tara por roupas e que traria várias na bolsa… se for para fazer isso quero fazer igual você”.

“É o seguinte, vocês vão ter duas putinhas hoje.. eu e… Joana… ” apontei para João, eles logo entenderam. “Joana”começou a mamar as rolas dos rapazes que estavam atoa. “Pera que tem mais” eu falei tirei da bolsa uma cinta liga e meia calça arrastão e coloquei em Joana.

“Vem e coma nosso cuzinho” eu disse. Guilherme foi o primeiro a vir “Hmmm Renata, me desculpa mas o seu cuzinho eu já conheço, quero estreiar o da Joana!” ele disse, “Tarde demais, já fiz isso ontem” e dei uma risadinha. Eles lubrificaram o meu cu e o de Joana com sabonete e enfiaram dentro, o meu entrou muito fácil, mas Joana sentiu dor e pediu para irem devagar, antes que pudéssemos falar mais alguma coisa estávamos com um membro no cu e o outro na boca. Nossos machos estavam no cio e isso era ótimo, eu ia receber porra no cu e na garganta a tarde toda e meu corninho também!

O rapaz que me traçava gozou muito rápido, senti seus jatos atingindo a parede do meu intestino e me esquentando por dentro. Ele saiu de dentro de mim e outro já veio tomar seu lugar, era um membro menor, porém me satisfazia bem. Eu olhava para o lado sempre que podia e assistia meu namoradinho sendo enrabado como uma fêmea e chupando um macho, seu membro pingava muito, ele devia estar adorando. Ao terminar esse pensamento senti dois jatos simultâneos um na boca e outro no cu, os meus dois machos gozaram juntos.

Os dois saíram eu pude realmente reparar o meu corninho, o safado estava adorando! Olha a cena: Guilherme sentado no chão com Joana cavalgando em sua rola, ela estava suja de porra com os machos que gozaram nela, seu membro pingava, porém ela ignorava todos os outros rapazes, era apenas os dois juntos.

Os outros vinham até mim para que eu pudesse satisfaze-los, meu cu estava transbordando com a porra deles e ainda faltavam três para gozar, fui conferir o estrago, meus dedos entravam com muita facilidade no meu cu, reparei a rola dos rapazes que faltavam e vi que não eram grossas e falei “quero dois no meu cu e um na boca”, eles se empolgaram na hora, o primeiro membro entrou com muita facilidade, o segundo doeu um pouco e foi mais difícil mas logo entrou e para completar uma tora bem gostosa na minha boca (ai começo a pingar só de lembrar). Ficamos desse jeito até me encherem de porra e transbordarem meu cu com sêmen. Para finalizar uma deliciosa gozada na minha boca que foi acompanhada do meu gozo. Quase todos os homens já tinham tomado banho e ido embora após a foda, o último tinha acabado de gozar na minha boca e foi tomar banho. Cai cansada e satisfeita no chão do vestiário, toda suja de porra e feliz. Resta lá apenas eu e um casal que me surpreendeu, Guilherme continuava comendo o cuzinho de Joana, o saco dos dois se encontravam e se afastavam, meu corninho e meu amante fodendo juntos. “Ai eu vou gozar de novo Joana! Vou encher seu cu com minha porra de novo, gostosa!”, “Vai meu macho, me preenche!” disse Joana.

“Não! Parem! Você tem que gozar na bocetinha dela!” eu disse e Guilherme não entendeu. Joana sabia do que eu estava falando, colocou a mão no membro de Guilherme e tirou para fora do cu “Renata, ajuda ele”, peguei no membro de Guilherme e punhetei bem forte, focando na cabecinha dele, ele anunciou que ia gozar, mirei o jato no saco e membro de Joana, Guilherme gozou muito e sujou todo o membro, sentindo o calor Joana gozou junto se sujando com sua porra que começou a escorrer misturando com a de Guilherme.

Joana misturou as duas em seu membro esfregando tudo por lá. “Isso significa que a bocetinha de Joana é sua Guilherme, João fez a mesma coisa comigo… você é o primeiro macho dela, esfreguei o meu membro no membro de Joana, me sujando com a porra dos dois “E isso significa que minha bocetinha é sua agora também Guilherme, agora somos duas putinhas ao seu dispor não é Joana?” ela concordou.

João não quis ser radical como eu e começar a mudar o corpo com hormônios, decidiu se firmar como crossdresser, eu era putinha dele e nos duas eramos putinhas de Guilherme. Contei tudo para Dra Ana mais tarde, “É a desvantagem disso é que você vai ter que dividir suas roupas com ele né? Por falar em João, onde está ele?” perguntou, “Sendo a mulher do Guilherme, não deve voltar tão cedo…” terminei de falar isso e Ana me beijou e fomos juntas para cama, ainda não me defini, não sei se sou puta, se sou amante de Ana, ou de João… só sei que amo sexo e quanto mais puder ter, melhor, transamos por horas, eu usando minha camisola preta e ela com a camisola azul escura que foi a que usei pela primeira vez para transar com seu filho. Tive dois orgasmos e Ana três, adoro aquela boceta, ainda mais quando tem minha porra lá.

Contarei depois de quando voltei para casa, fui aceita pelo meu pai… talvez aceita demais, em uma de suas bebedeiras eu fui a mulher dele. Bjos Renata.

Referência do Anúncio ID: CT-000045500

Não há Tags

10903 visualizações, 0 hoje

  

Deixe seu Comentário

É necessário fazer login para poder inserir um anúncio.

Para obter informações sobre este anúncio, preencha o formulário abaixo para enviar uma mensagem para o anunciante.

Novidade!

Usuarios Ativos

Users: Homem com Pegada, SeiyaRJ, adrianosacana, 77 Guests, 18 Bots