Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | Entrarrss

 

 

Conflito de Gênero – Menino? Não, Menina! Parte 04

  • Publicado em: 8 de maio de 2018 09:43
  • Expira: Nunca!

Detalhes do Conto Erotico:

Pelo que aconteceu na noite anterior eu deveria ter acordado a pessoa mais feliz do mundo, mas não isso que aconteceu. O peso daquilo tudo caiu como uma bomba sobre minha cabeça. Eu tinha ido longe demais. Uma garota saindo da pré-adolescência se comportando como uma devassa. E pior para minhas culpas, eu era um garoto ainda que estava atravessando uma linha que eu sabia que poderia não ter mais volta. E como eu ia explicar isso para meus pais, avós e família? Como eu ia assumir isso? Eu não tinha essa coragem e essa força. Eu era uma pessoa frágil no eterno conflito interno e com toda a culpa da sociedade sobre mim. Fiquei triste todo o dia e minha primas perceberam e me perguntaram. Me desculpei dizendo que estava triste porque era a última semana de férias e na próxima semana teria que voltar ao colégio interno para o último semestre que passaria lá. Eu já tinha decidido com meus pais que no próximo ano era para escola de segundo grau mais próxima de casa. Minhas primas entenderam minha situação e não me perguntaram mais nada.

Passei todo o dia remoendo tudo aquilo. O que havia acontecido era exatamente o que eu queria para a minha vida, mas todo o entorno me obrigava a ser um menino, ainda que minha aparência era cada vez de uma garota. Todo mundo já percebia isso. Eu já estava com os quadris bem arredondados e um pouco mais talvez ficasse até exagerado. Minha cintura estava ainda mais fina e minhas pernas torneadas como nunca, possivelmente pela natação que era o esporte que eu fazia no colégio interno. Meus seios com a ginecomastia já enchia por completo o sutiã 40 de minha prima de 14 anos. E o cabelo quase nos ombros, só um pouco mais curto. Todos me viam vestido de menino e isso enganava um pouco, mas o meu maior problema era a natação no colégio interno. Com vergonha de meu corpo para os meninos eu escolhia sempre o horário que não havia ninguém na piscina para praticar meu esporte.

Eu ainda estava dolorida e com certeza mesmo que eu quisesse não daria para fazer nada naquele dia. Quando chegou a noite, o sentimento de culpa foi maior e eu não fui ao posto e também nem coloquei as roupas de minhas primas. Eu tinha que ser homem. Seria melhor para todos e muito mais fácil. Para todos não, para minha família e para a sociedade, não para mim que era uma mulher, agora com corpo de mulher com apenas algo a mais e que havia nascido homem. Era um conflito infinito dentro de mim. Nos dois dias seguintes também resisti. Fiquei na casa de minha tia só vendo TV. Eu tinha até medo de sair por achar que todos podiam saber de meu segredo. Meu rabinho já estava praticamente curado o que me fazia lembrar um pouco menos daqueles momentos maravilhosos que passei. Mas as férias estavam acabando e eu só tinha mais 2 noites antes de voltar para o colégio e isso estava me pressionando. Se eu não fosse lá ficaria os próximos 4 meses sem vê-lo e quando eu voltasse talvez ele nem se lembrasse mais da Bruna.

Então naquela noite após 3 noites resistindo, não resisti e voltei ao posto. Quando me viu ele disse que tinha ficado preocupado e que quase foi visitar minha tia para saber se eu estava bem. Aquilo me assustou, saber que ele estava disposto a ir até a casa de minha tia para saber de mim. Em minha cabeça achei que todos poderiam ter desconfiado se ele tivesse feito isso. Era só meu sentimento de culpa, pois ele ia frequentemente a casa de minha tia e todos estavam acostumados com sua visita. Ele ficou lá atendendo os clientes e eu o ajudando como se nada tivesse acontecido. Até que os clientes pararam de chegar e ele me chamou para nos sentarmos naquelas famosas cadeiras. E não demorou muito para entrar no assunto. -A Bruna não veio mais, fiquei com muita saudade dela. Gostaria tanto de vê-la novamente. Sei que ela logo vai embora e vou ficar com muita saudade. Aquele jeito dele falar de mim na terceira pessoa como Bruna me fez sentir bem. Ela havia entendido de verdade quem eu era. Mas minha resposta a ele não foi muito animadora.

Disse a ele que estava com sentimento de culpa, que se meus pais descobrissem seria uma tragédia, que eu jamais poderia assumir publicamente e que se continuássemos alguém poderia descobrir eu ficaria em uma situação terrível e até poderia ser expulsa de casa. Pelo menos era isso que meus pais fariam se descobrissem tudo, principalmente meu pai. E claro que ele iria usar de todos os argumentos que um sacana usa para mudar aquela minha forma de pensar. Primeiro ele me disse que entendia meus medos, mas que ninguém iria descobrir se eu não falasse para ninguém, pois ele é que não poderia contar porque era casado e se contasse perderia a esposa e filhos. Também mostrou que sabia a diferença entre quando eu era Bruna e quando não era e que sempre que eu não fosse a Bruna ele me trataria como um garoto na frente de todos. E finalizou que se a Bruna não aparecesse ele ficaria bem triste porque ela iria embora e nas próximas férias nem sabia se poderia encontra-la novamente pois pretendia contratar um funcionário para colocar no período da noite no posto.

Como não poderia ser diferente todas aquelas palavras me abalaram, até porque era tudo que eu queria, mas meu sentimento de culpa não estava deixando acontecer. E foi então que ele deu o golpe final. -E a Bruna ficaria ainda mais linda nas roupas que comprei para ela. Além é claro, da surpresa que eu vou fazer para ela. Meu rosto me denunciou. Eu estava em êxtase com com aquilo que ele me dizia. Queria saber que roupa e qual era a surpresa. Mesmo assim tentei me segurar e me fazer de desentendida. Foi quando um cliente chegou no posto. Ele me disse para não ir ajuda-lo e enquanto ele atendia para eu olhar no escritório o que estava encostado na parede e a caixa no chão perto. Fui correndo. E quando cheguei lá, já vi logo qual era a primeira surpresa. Tinha um colchão de solteiro encostado em pé na parede que me deixou arrepiada. Eu nunca tinha brincado com alguém em um colchão de verdade. Sempre tinha sido em lugares totalmente desconfortáveis. Com certeza ele estava mal-intencionado.

Mas o que mais eu queria era ver as roupas que ele havia comprado para a Bruna. Eu estava com as mãos tremendo quando abri aquela caixa grande. Logo que abri, por cima tinha um vestido floral de alcinhas, aquele que se usa muito na praia. O coloquei encostado em meu corpo e adorei e parecia que estava perfeito o tamanho. Embaixo haviam duas minissaias. Não muito curtas. Uma branca de pregas e outra preta com tecido molinho. Eram saias normais que garotas na minha idade usavam. Depois tinha duas blusinhas de cotton que ficariam grudadas no corpo. Uma com florais rosas leves e outra e outa branca um pouco transparentes como aquela da filha dele. Uma por uma coloquei as peças sobre meu corpo e parecia que ele tinha acertado no tamanho. Mas o que eu mais queira era ver as lingeries. E havia 2 sutiãs e 4 calcinhas. Os sutiãs eram de bojo e faziam conjunto com 2 calcinhas. Eram daquele tipo teen com desenhos de bichinhos, Um com fundo rosa e outro branco. As calcinhas eram bem larguinhas. Tudo para ser usado por uma garota na adolescência. Uma outra calcinha era de renda branca também larguinha e a outra em lycra tipo tanga preta. Essas duas calcinhas eram mais adultas, mas nada ousado de mais. Parecia que ele queria que eu fosse mesmo uma garota na adolescência e era assim que eu gostaria de me vestir. Eu não tinha aquele desejo de calcinha fio dental, espartilho, etc. Eu era uma garota e queria me parecer com uma garota. E por fim uma sandália, novamente annabela com o salto largo e grande que talvez fosse mais fácil para eu me equilibrar e outra sandália rasteirinha branca. Uma autêntica menininha. E para finalizar um batom rosa. Acho que ele havia gostado de meus lábios em rosa e repetiu a cor.

Eu estava suando frio de tanta vontade de experimentar tudo aquilo. Minhas culpas me atormentavam ainda, mas naquele instante que vi todas aquelas roupas em cima das mesas me decidi. Eu só teria mais duas noites ali e não iria perder a oportunidade. Depois eu voltaria ao normal. Foi quando ele entrou e eu dei um sorriso enorme para ele mostrando toda minha felicidade. E ele logo foi falando que aquelas roupas eram todas da Bruna e estariam lá disponíveis sempre que ela quisesse aparecer e finalizou com um lindo sorriso. E disse que o colchão estava sobrando na casa dele e que ele tinha dito para a esposa que iria trazer para o posto para ele descansar quando estivesse cansado, mas me disse que na verdade era para dar mais conforto para a Bruna e trata-la como ela merece. E foi então que ele perguntou: -E a Bruna vai aparecer hoje ou não? Abri um sorriso e disse: Acho que vai sim. Com qual roupa você acha que ela deve vir? -Bonita como ela é pode vir com qualquer uma que vou adorar. Então enquanto ela se apronta vou fechar o posto e colocar esse colchão no lugar.

Na verdade, eu queria era colocar todas, mas eu sonhava em usar um vestidinho. Então escolhi o vestido floral e o conjunto de lingerie com fundo rosa com estampa de gatinhos. Para completar iria usar o salto annabela. Separei o que ia usar e coloquei o restante de volta na caixa. Tinha que deixar tudo arrumado pois logo iria usa-las. Fui ao banheiro e comecei a transformação. Com as mãos tremendo fiz todo o ritual, passei o batom, arrumei o cabelo e dei duas apertadas em cada bochecha para ficar bem rodada. A lingeries tinha ficado perfeita e eu a usaria por toda vida se pudesse. Até os seios ficaram lindos porque era daquele tipo “Bra” que empurra os seios para o meio do corpo e eles ficaram lindos pulando fora do sutiã. E o vestido então, se ajustou perfeitamente a meu corpo. Era bem acinturado e me deixou toda curvilínea. Eu estava uma garota que faria sucesso em qualquer praia do Brasil.

Ao sair do banheiro ele estava lá me esperando só de cueca box preta. Eu nunca tinha visto aquelas cuecas. Ele estava lindo e mostrava todas as saliências de seu corpo musculoso. Ele ficou com o queixo caído quando me viu. -Você esta maravilhosa Bruna. Se não fosse casado me casaria com você. Aquela declaração me fez perder todos meus receios e daquele ponto em diante me entreguei a ser a Bruna. Eu seria para ele a Bruna todas as vezes que ele quisesse. Ele veio para junto de mim e me pegou pela cintura para beijá-lo. Eu coloquei minhas mãos naquele peito forte com poucos pelos. Ele começou a me beijar mais apaixonado do que nunca. Parava um pouco para me encher de elogios. Eram tantos elogios que é impossível me lembrar de tudo. Ficamos nisso por um tempo até que ele me disse que faria algo que nunca ninguém tinha feito em mim. Ele não sabia de meu relacionamento com meu amiguinho que morava ali perto dele, mas o que ele fez realmente ninguém tinha feito. Ele me encostou na parede de costas para ela e pediu para apoiar os braços e arrebitar. Quando fiquei na posição que ele queria, ele se ajoelhou atrás de mim, levantou meu vestido, deu muito beijos em minha bundinha, muitos apertos e então afastou a calcinha dizendo: -Pode ficar tranquila que não vou tirar nenhuma de suas roupas e sorriu. Então com carinho começou a chupar e lamber meu rabinho. Primeiro em volta, mas depois enfiando a língua. Estremeci e arrepiei até o ultimo fio de cabelo e ele percebeu. Eu gemia alto e então ele enfiou as mãos por baixo do vestido e veio até meus seios e ficou apertando eles daquele jeito que gosto e que me faz me sentir mulher. Eu não estava aguentando e minha perna estava fraquejando. Eu estava escorregando, mas ele não parava. Fui sentindo algo dentro de mim, como um choque elétrico e pela primeira vez na vida gozei de verdade. Gozei muito sem penetração. Não me aguentei e fui ao chão. Quando consegui abrir os olhos olhei para ele e sorrindo ele me disse que eu tinha tido o primeiro gozo de minha vida. E me disse que eu ainda ia ter muitos mais, se dependesse dele.

Ele esperou um pouco até que eu me recompusesse e então me levou para o colchão. La me disse que era a minha vez de retribuir o que ele tinha feito. Tirou a cueca e deitou-se. Peguei aquele pau enorme e comecei a chupa-lo. Usei tudo que havia aprendido algumas noites atrás. Eu tinha em minha cabeça que ia faze-lo gozar para dar todo prazer a meu homem, mas também porque queria sentir a porra dele em minha boca. E foi o que fiz. Fui uma garota putinha e depois de tanto lambe-lo e chupa-lo ele gozou. Ele tentou tirar minha boca sem muita convicção, mas eu afastei a mão dele e continuei lá até ele terminar de ejacular toda aquela quantidade enorme de esperma em minha boca. Não consegui engolir tudo, mas engoli o máximo que pude. Me senti poderosa de tê-lo feito gozar daquele jeito. Ele abriu um grande sorriso e se sentou no colchão a meu lado. Me agradeceu pelo imenso prazer e disse que deveríamos nos limpar. Fui ao banheiro e lavei minha boca e ele se limpou. Uma pena, mas não tinha como ficar curtindo muito tempo aquele momento delicioso. Eu não podia me demorar.

Passado uns 5 minutos entre nos limparmos e uma pequena conversa, onde ele novamente me encheu de elogios, me olhou bem nos olhos e disse que precisávamos terminar aquilo. Então me disse para eu ficar de joelhos apoiada nas mãos e de costas para ele. Me disse que com aquela visão certamente ele estaria pronto de novo bem rapidinho. Fiz o que ele mandou e ele veio por trás e ele levantou meu vestido até as costas. Ele ficou com a visão total de minha bundinha somente com aquela calcinha. De joelhos e de costas para ele com o vestido levantado. Devia estar bem sexy pois após me dar alguns apertões e alguns beijos na bunda ele já disse que estava pronto novamente e que era para eu ficar naquela posição. Se levantou e foi pegar o creme anestésico que ele havia guardado e quando voltou afastou minha calcinha de lado e já foi passando em meu rabinho, primeiro por fora e depois penetrando como na outra vez. Dessa vez sem muita paciência pois ele sabia que eu não podia ficar ali muito mais. Assim que terminou se posicionou atrás de mim e encostou seu membro enorme em meu rabinho e me disse que se doesse era para avisar que ele pararia. Só pediu que eu fizesse força para fora.

Ele começou bem devagar e com carinho a me penetrar. Ia devagar até que ficou mais difícil. Eu sentia um incomodo, mas não doía como da outra vez. Foi quando houve uma resistência que ele falou: -Esta na hora de você forçar. Fiz o que ele pediu e num pequeno tranco ele rompeu a resistência e parou. Dei um gemido forte, mas logo falei que ele podia continuar. Ele passou mais creme em volta de seu pau e começou a enfiar novamente bem lentamente. Eu estava no céu me sentindo a perfeita fêmea de um macho. Naquela posição, de vestido e com a calcinha de ladinho e com um membro enorme de um homem lindo me penetrando. Era o momento mais feliz de minha vida. E com paciência ele colocou até o fim e parou dizendo para eu me acostumar. Mas eu já estava acostumada. Eu pensei comigo mesma que eu tinha nascido para aquilo. Enquanto ele esperava um pouco ficou acariciando minha bunda e minha cintura e após um tempinho começou a se movimentar para frente e para trás segurando firme em minha cintura e as vezes tentando apertar meus seios meio sem jeito. Completamente submissa e entregue me veio um pensamento terrível se meu pai me visse daquele jeito. Ele morreria. Mas logo voltei escutando os gemidos fortes dele e o aumento das bombadas que ele me dava. E logo ele gozou tudo dentro de meu rabinho e eu novamente tive aquela sensação maravilhosa de sentir a porra sendo ejaculada lá dentro. Quase gozei novamente, mas esse era o momento dele. Senti sua porra escorrendo enquanto ele ia diminuindo o ritmo e parando de bombar. Quando parou e conseguiu falar me disse: -Foi uma das melhores gozadas de minha vida e foi com uma garota linda demais. Se tivesse uma máquina fotográfica aqui ia querer fotografar você nessa posição comigo dentro. Com certeza eu iria me masturbar muito olhando essa foto desse momento incrível. Com o rosto virado para ele eu disse que ele era meu homem e que poderíamos fazer novamente pois eu também havia adorado. E que faria quantas vezes ele quisesse, mas agora eu tinha que ir embora.

De novo não deu para curtir o momento por mais tempo. Nos limpamos e nos trocamos. Ele disse que lavaria a calcinha e que a guardaria para quando eu a quisesse usa-la novamente. Eu disse que tinha adorado aquela roupa e que com certeza ia usar novamente. Desta vez ele se lembrou de me beijar antes que eu me desmontasse e me deu um beijo de despedida muito gostoso. Quase na hora de eu sair ele me perguntou se a Bruna voltaria no dia seguinte pois seria a ultima noite dela lá naquelas férias. Respondi com um grande sorriso que certamente voltaria e ia querer experimentar todas as roupas que faltaram colocar. E sorrindo me disse que no dia seguinte ia fazer a Bruna gozar em um papai e mamãe para ela se sentir bem mulher, mas antes fariam outras coisas gostosas. Me despedi dele e fui correndo para casa e quando vi minha tia, antes que ela perguntasse, disse que tinha ficado mais tempo com as amigas pois era minha penúltima noite ali. Ela disse que era ótimo manter as amigas, pois nas férias seguintes seria ainda mais gostoso eu voltar para sua casa. Concordei com ela, mas o que ela não imaginava era o quão gostoso seriam as próximas férias por outro motivo. Fui tomar meu banho e acariciei meu corpo, minhas curvas e meus seios por um bom tempo lembrando de tudo o que tinha acontecido até que me masturbei e gozei. Na cama, antes de dormir, fiquei imaginando como seria minha última noite lá

Referência do Anúncio ID: 3295ad0baf46ffe1

Não há Tags

321 visualizações, 0 hoje

  

Para obter informações sobre este anúncio, preencha o formulário abaixo para enviar uma mensagem para o anunciante.

Novidade!

Usuarios Ativos

Users: Homem com Pegada, 65 Guests, 20 Bots