Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | Entrarrss

 

 

Entre Tapas e Rolas!

  • Publicado em: 18 de setembro de 2004 18:55
  • Expira: Nunca!

Detalhes do Conto Erotico:

Entrei em casa, sentindo o vento do fim de tarde na buceta, cada passo que dava procurava sentir meu sexo, a vontade de levar mais rola ainda naquele dia me torturava, sabia que Léo não chegaria tão cedo, nem sei se chegaria naquele dia, ele e Marcos haviam combinado de arregaçarem a Márcia com uma noite de sexo selvagem, Marcos queria que a noiva ficasse viciada em dar o cu como eu era, então haviam planejado uma noite de sexo só no cuzinho dela, certamente ela não apareceria na academia no dia seguinte, pois estaria toda dolorida, esquentei um pouquinho daquela macarronada e me sentei pelada no sofá da sala, liguei o vídeo e coloquei uma fita pornô que estava lá em casa, uma loirinha tomava no cu com muita força, o cara puxava os cabelos dela para trás retesando seu corpo e metia com voracidade, fazendo a menina gritar alto, que delicia, como gostaria de estar no lugar dela naquele instante, travei meu cuzinho na hora, meti dois dedos na buceta e abandonei o prato de macarronada, apertava meu grelo e me contorcia, na cena o cara não parava de meter, com força, puxando os cabelos bem pra trás fazendo a menina gritar bastante enquanto a rola era enterrada inteira no cuzinho, não agüentei ver a cena, gozei dedando a buceta, não fiz de rogada e gozei gritando gostoso todo meu tesão “Soca no cu, só no cu, que deliciaaaa” logo após gozar feito uma puta sozinha, peguei o prato de macarronada e dei fim, pensei um pouco no que iria fazer aquela noite, e resignada tomei um banho, escolhi uma bermudinha de lycra bem apertadinha para contornar minha bundinha, coloquei uma camiseta e fui malhar na academia, queria ser olhada e desejada, estacionei o carro e entrei no salão principal, passando pela hall fui em direção ao vestiário, guardei minhas coisas, ajeitei minha camisetinha, para que ficasse acima da minha bundinha, pois queria provocar mesmo naquela noite, fui para a esteira, no caminho tive uma visão, na verdade tive uma linda visão, eu ainda não sabia mas estava prestes a conhecer o cara que ia me levar para a perdição total, no outro lado havia um rapaz, aparentando uns 30 anos, sorridente e muito simpático exibia um par de coxas grossas e peludas, que molhavam minha xana, um shorts curto, generoso mas discreto, pois era bem soltinho na região da rola, uma camiseta regata mostrando um físico definido, era moreno claro, cheguei trocar as pernas, mas disfarcei e fui para a esteira, sempre olhando em sua direção, de repente ele sumiu, meus pensamentos voltaram para a casa da Márcia, certamente naquele instante ela estava dando o cu e chupando muita rola, comecei a fazer um ritmo mais rápido e de repente ouvi uma voz grave bem próxima dizendo: Mais de vagar, moça, esta aquecendo ainda! Aquela frase foi dita cantada, tão suave e gostosa de ouvir, me virei e vi um rapaz com rosto de traços fortes, sobrancelhas grossas e um sorriso estampado no rosto, sorri delicadamente e escorreguei meus olhos em suas belas coxas, peludas, com aquele shortinho curto, que vontade de agarrar aquele macho e me esvair em sexo, mas me contive, seu olhar direcionou em minha aliança e então ele novamente sorriu, se apresentou como sendo o Ivan, tinha 31 era instrutor da academia no período noturno e durante o dia era massagista, fiquei curiosíssima pela sua profissão, já imaginou a brecha, era tudo que eu precisava, ser alisada por um deus grego daquele, nossa empinaria a bundinha e deixava ele passar suas mãos grandes e fortes, meus pensamentos me excitavam ainda mais, ele perguntou se era nova e respondi que não, freqüentava o período da manhã, ele perguntou onde estava o dono da outra aliança, sorri e disse que estava viajando, ele disse que não deixaria uma mulher como eu sozinha de noite no rio, principalmente numa academia: Olha moça o que tem de instrutor de academia rondando por ai! Rimos gostosamente, de sua piada manjada, mas eu cedi a todos seus gracejos, ele era muito inteligente e muito educado, ficamos conversando por alguns instantes e logo ele foi ajudar outras pessoas, sai da esteira e fui fazer alongamentos, depois fui fazer uns exercícios num aparelho, estava ainda me aquecendo fazendo algumas flexões, e ele voltou, dizendo que me ajudaria, colocou os pesos no aparelho, eu me virei e percebi que ele estava a olhar o inchaço da minha buceta, fiquei molhadinha, ajeitei um pouquinho mais a bermuda de forma a deixar minha xana ainda mais evidente, deitei e entreabri as pernas para fazer os exercícios, ele me segurou na altura do tornozelo e dali teria uma visão privilegiada da minha buceta, eu o provocava, abrindo e fechando as pernas, ele me corrigindo dizendo que não poderia abrir tanto as pernas, pois poderia machucar minha coluna, mas falava olhando para minha bucetinha, suas mãos quentes seguravam meus tornozelos, e eu abria as pernas novamente, ele então subiu suas mãos pelas minhas pernas, enlouqueci, a vontade que estava de dar naquela noite e lê deslizando suas mãos ásperas pelas minhas pernas era de matar, na altura dos joelhos ele segurou minhas pernas juntas para que pudesse fazer o exercício, que delicia de homem, um perfume delicioso e seu olhar me admirava, ele me observava, cada reação, eu me sentia nua na sua frente, ele fazia questão de olhar minha buceta e mostrar que estava olhando, eu fui perdendo o controle da situação, pois queria muito levar rola naquela noite, de repente meu celular vibra, olhei e tinha uma mensagem de Léo: “Dorme pelada, chego de madrugada para saciar sua bundinha” sorri para meu novo amigo, feliz com a noticia e já mais aliviada por saber que levaria pinto naquela noite, depois de um tempo resolvi ir embora, o rapaz de coxas grossas havia sumido, tomei um banho relaxante no vestiário, coloquei um shortinho sem calcinha, um top vesti meu tênis e sai, ele estava parado na porta, depois do hall de entrada, já fora da academia, me olhou e sorriu e safadamente olhando para minhas coxas disse: Toma meu cartão, quem sabe não precisa um dia desses de uma massagem, já que faz tantos exercícios euforicamente! Sorri para ele, olhei o cartão e lá estava o endereço da clinica de massagem, meus pensamentos confirmavam que eu iria experimentar sua vara, agradeci e sai mexendo gostoso a bundinha, cada passo que eu dava procurava sentir meu sexo e mostrar para ele minha feminilidade, claro aquela olhadinha básica pra trás e lá estava ele enfeitiçado pela minha bunda, sorriu e acenou, sorri de volta, manobrei o carro e fui embora com o cartão no espelho do carro, uma academia de massagem, era tudo que eu precisava, cheguei em casa cansada da minha correria, afinal levantar tarde, fazer sexo, agüentar duas rolas no cu, dormir à tarde, ir pra academia malhar e rebolar para um desconhecido havia me deixado cansadinha, tirei a roupa e dormi peladinha como havia orientado o Léo, já de madrugada, nem sei que horas eram, acordei com uma lingua subindo na altura das minhas coxas em direção às popas da bunda, soltei um gemido de tesão, olhei e Léo nu, separava as bandas da minha bunda, e passava a lamber meu cuzinho, tremi de tesão e abri as pernas, curvando um pouco a bunda para deixar o cu bem exposto, levei a mão em minha xana e ele lambia meu anel, passava a lingua em movimentos circulares, fui acordando aos poucos com aquelas linguadas gostosas e quentes, então olhei o relógio sem quere acreditar que eram sete e meia da manhã, o desgraçado havia passado a noite metendo, mas suas linguadas estavam tão gostosas que não reclamei, logo um dedo entrou em meu cuzinho me deixando louca, pedi para ele virar e alcancei sua rola, coloquei na boca e estava molhada de gozo e melado de buceta, senti o gosto da Márcia em minha boca, aquilo me deixou alucinada, engoli o caralho lambendo tudo, ele já abria meu cuzinho e socava a lingua em meu reto, não agüentei, pulei na cama, ficando de quatro e implorei: Me machuca, fode com força, quero que me arregace como fez ontem! Léo parecia possuído, soltou a mão em meu rosto em um tapa forte, além da força que brincamos, estalou em meu rosto me fazendo virar a cara, aquilo no primeiro instante me deixou irada, puta da vida, foi um tapa muito forte com a palma da mão, meu rosto esquentou na hora, mas num segundo instante me deixou alucinada de tesão: Desgraçado, fode a noite inteira e me bate! Bate mais filho da puta! Léo soltou a mão em meu rosto novamente, estalou a palma da mão em minha cara, fiquei doida! Bate mais desgraçado! Outro tapa, mais outro, e outro que me derrubou no chão, então enfiou a rola em minha boca e disse: Chupa cadela, chupa gostoso que vou gozar na sua boca sua vadia safada! Obediente mamei sua vara, meu rosto ardia, certamente estava marcado, não poderia trabalhar mais uma vez, esqueci do mundo e chupei, engoli a rola inteira, seu saco batia no meu queixo e ele não parava de falar: Vai chupar minha rola todas as manhãs quando eu chegar da farra, cadela, quero meter em muitas vagabundas e gozar na sua boca sua puta safada! Léo metia em minha boquinha levando a rola em minha garganta passando a glande no céu da minha boca e puxando meus cabelos fortemente, cravava a pica na minha garganta: Chupa puta sem vergonha, lambe o pinto que meteu em outra buceta a noite inteira, sua vadia, vou trazer mulheres para meter aqui em casa enquanto você vai cozinhar pra nós, na hora de gozar gozo na sua boca sua vaca! Tirou o pinto da minha boca e me deu outro tapa na cara, eu não conseguia reagir aquilo tudo, os tapas doíam mas ao mesmo tempo me excitavam, ele me puxou e me colocou na janela, subiu uma das minhas pernas no encosto da parede e meteu em meu cuzinho, que excitado facilitou a entrada daquela rola: Vai tomar no cu todas as manhãs cadela, safada, você merece é rola no rabo vagabunda, a partir de hoje só vou meter na sua boca e no seu cu cadela sem vergonha! A pica de Léo invadia minha bunda sem pedir licença, eu olhava pela janela as pessoas passando na rua enquanto levava rola com força no cu, ele parecia possuído, soltou um tapa no meu rosto de trás para frente sem eu esperar, estalado, não tive outra ação a não ser apertar o cu, esmagando sua vara no fundo da minha bunda e soltar um gozo alucinante jamais sentido, outro tapa, eu larguei o corpo pois não conseguia agüentar mais, parecia que meu orgasmo eram em todos os meus poros, apertei o cu com força, esmagando sua vara, ele segurou-me pelas ancas e desferiu mais um tapa, sempre na maçã do rosto e estalado, doía, e quanto mais doía, mais eu gozava, caímos os dois no chão, sentados, eu por cima dele e sua rola cravada no meu cu, nos abraçamos e ficamos quietos sem nos falar, aquilo estava fugindo do nosso controle, senti aos poucos sua vara ficando mole e meu cuzinho sentindo um vazio, depois de alguns minutos me levantei, ele se soltou e ficou estendido no chão, fui de encontro ao espelho para ver como estava a situação do meu rosto, porra saia da minha bunda e escorria pelas minhas coxas! Que delicia ver você assim meu amor, é muito gostoso ver você toda esporrada! Olhei para Léo caído no chão do quarto e ele parecia um bêbado, olhei no espelho e meu rosto estava vermelho, mas não tinha marcas, ele havia batido com a palma das mãos, por isso não marcou, sentei na beirada da cama e fiquei olhando para meu marido e pensando onde havíamos chegado e onde poderíamos chegar, nem ele e nem eu sabíamos que tínhamos entrado em um mundo estranho para nós dois, nem ele nem eu sabíamos que eu ainda não era a puta que pensava ser, até aquele instante eu dava para ele e para o Marcos, apesar do sexo liberal, sexo anal, gozadas na cara, beber porra de outro macho e passarmos noites de sexo ardente longe um do outro, eu ainda não tinha virado a puta que virei, os dias que se passaram vieram nos mostrar onde podíamos chegar, qual o limite para nos dois, estávamos prestes a experimentar situações de sexo ardente, liberal e sem controle, aventuras obscuras e até humilhações, e claro muito prazer, mas não sabíamos onde estávamos indo, ali naquela manhã, com o cu saciado de rola, satisfeita e ele acabado de uma noite de esbornia, percebia que nunca estivemos tão distantes um do outro, e ao mesmo tempo tão unidos como nunca, ajudei-o a ir para a cama, tomei um banho, meu rosto ficou mais límpido, ajudei com a maquiagem e precisava ir trabalhar, sai e deixei-o pelado, acabado de tanto sexo!

Referência do Anúncio ID: CT-000021760

Não há Tags

7178 visualizações, 0 hoje

  

Deixe seu Comentário

É necessário fazer login para poder inserir um anúncio.

Para obter informações sobre este anúncio, preencha o formulário abaixo para enviar uma mensagem para o anunciante.

Informações deste Autor

  • Autor: flaviamel
  • Membro desde: 25 de julho de 2004

Contos publicados por flaviamel

Últimos itens anúnciados por flaviamel »

Novidade!

Usuarios Ativos

Users: Horny2015, 33 Guests, 16 Bots