Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | Entrarrss

 

 

Minha Historia

  • Publicado em: 13 de março de 2007 22:45
  • Expira: Nunca!

Detalhes do Conto Erotico:

Minha História

Já faz tempo que leio as histórias aqui deste site, como gosto muito de ler fico horas e horas lendo todas as histórias aqui publicadas, principalmente as de incesto entre pai e filha como é meu caso, mas gosto de todas, apesar de que a grande maioria são pura invenção, isso é notório, os homens, são sempre gatões atléticos, morenos de 1,80 mts olhos verdes, dão cinco sem tirar de dentro, etc e tal… As mulheres sempre possuem corpos maravilhosos atribuídos a muita malhação em academias, etc, etc, etc. Bem, depois de muito relutar, resolvi narrar a minha história, posso garantir a vocês que tudo que escreverei aqui é real, prometo chegar o mais próximo possível da realidade, pois existem fatos que já fazem muitos anos que aconteceram e não me lembro mais dos detalhes, só vou omitir os verdadeiros nomes por questões obvias. Chamo-me Ana, nasci numa linda manha de primavera em setembro de 1979, tenho 1,52 mts, olhos azuis e cabelos castanhos claro bem compridos, peso 43 kg, sou bem gostosinha segundo a opinião masculina, faço o tipo falsa magra, não sou nenhuma mis mas me acho bonitinha, meu bumbum é redondinho, minha pernas são bem torneadas, meus seios não são nem pequenos demais nem grandes demais eles são do tamanho ideal para minha estatura e durinhos e minha xaninha então é uma graça, pequenininha com os dois lábios maiores gordinhos e bem fechadinhos só com o grelo apontando entre eles, pois tenho o grelo um pouco avantajado por questões obvias que vocês entenderão durante o relato, quando estou com as penas esticadas, por exemplo em pé, só aparece o risco da rachinha e o botãozinho, ela é lisinha, pois mantenho ela sempre bem raspadinha….. Bom, vamos ao que interessa. Eu minha mãe e meu pai morávamos em uma casa bem simples, era apenas um quarto, sala e cozinha, todos os cômodos eram bem pequenos, portanto dormíamos os três no mesmo quarto, por falta de espaço eu dormia na mesma cama que eles. Sempre fui muito apegada ao meu pai desde que me conheço por gente, meu pai sempre foi tudo pra mim, e até onde me lembro sempre tomamos banho juntos, quando eu era apenas um bebê ele me dava banho em seu colo no chuveiro, era só ele chegar do trabalho e ir tomar banho pra eu ir correndo pra ele me dar banho também. Fui crescendo num ambiente onde andar nu dentro de casa era comum, assim como também era comum pra mim ver meu pai com o pinto duro e minha mãe alisando ele, desde que me entendo por gente que vejo meu pai e minha mãe transando, quando ficávamos na sala assistindo tv minha mãe começava a mexer no pinto do meu pai aí quando ele ficava duro ela sentava no colo dele encaixava o pinto na buceta dela e ficava subindo e descendo com o pinto todo enfiado na xoxota, aí ela gemia, gritava, falava um monte de palavrão e depois saia e sentava ao lado dele ofegante, a maior parte das vezes era no quarto principalmente quando íamos dormir, mamãe me deitava ao lado dela aí meu pai deitava e os dois começavam a se beijarem, ele então ficava chupando os peitos dela e depois ia descendo e ficava um tempão com a boca na xoxota dela, depois ele vinha por cima e dava o pinto pra ela chupar, ela chupava o pinto dele por um tempo aí meu pai enfiava o pinto na xoxota dela e começa os movimentos de entra e sai, os dois então gemiam, gritavam, xingavam um ao outro e depois ficavam deitados abraçados e dormiam, eu ficava ali meio que sem entender ao certo o que acontecia, mas assistia eles meterem com a maior naturalidade do mundo, um dia perguntei a minha mãe porque eles faziam aquilo e se eu podia fazer também, ela então me disse  A mamãe faz isso com o papai porque é muito gostoso, quando você crescer mais um pouquinho a mamãe deixa você fazer também, quando você crescer mais você vai entender melhor, por enquanto a mamãe vai deixar você só mexer no pinto do papai pra ele ficar duro pra mamãe depois você pode ficar assistindo a mamãe meter pra ir aprendendo. Desse dia em diante toda vez que íamos dormir enquanto ela e meu pai ficavam se beijando ela mandava eu ir brincando com o pau dele até ficar duro, quando tava bem duro ela chupava bastante e depois os dois trepavam e dormiam. Até onde me lembro e papai me contou depois mamãe era meio que ninfomaníaca e bem safada, adorava uma sacanagem e bastava meu pai estar em casa pra ela querer foder o tempo todo. Eu apesar de não entender muito gostava de ficar olhando os dois fodendo. O que eu mais gostava era quando meu pai me dava banho, ele me ensaboava e depois me esfregava todinha, minha mãe mandava ele esfregar bem minha xoxota pra ela ficar bem limpinha, eu gostava daquilo, mas até então de minha parte sem maldade alguma, minha mãe também sempre me ensinou desde que eu era bem pequena que o que acontecia ou era dito dentro de nossa casa nunca devia ser comentado ou falado a ninguém, que se eu o fizesse seria uma falta de educação muito grande e ela e meu pai ficariam muito bravos comigo, com isso eu me habituei á não comentar nada do que se passa em casa, essa situação perdurou até eu completar oito anos, ai nossas vidas viraram de ponta cabeça, minha mãe sofreu um acidente de carro e faleceu. A partir daí então começou uma nova vida, papai contratou uma empregada, uma senhora muito bondosa pra ficar comigo, eu ia cedo pra escola, chegava por volta do meio dia almoçava, fazia meus deveres e as cinco da tarde dona Matilde ia embora e eu ficava sozinha até sete e trinta ou oito horas da noite que era a hora que meu pai chegava do trabalho, ai como sempre ele ia pro banho, depois jantava, ficávamos vendo tv e íamos dormir. Meu pai ficou muito deprimido com a morte de mamãe, mas a vida continuava, afinal ele estava só com trinta e dois anos. Depois de alguns meses a nossa vida voltou ao normal, papai já estava mais alegre e passou a dedicar todo seu tempo e amor a mim. Mudamos de casa, mas eu continuei a dormir na cama dele, como nós dormíamos os dois completamente pelados todo dia de manhã ele acordava com o pinto duro, perguntei a ele porque, ele me disse que era porque ele acordava com vontade de fazer xixi, eu achava o pinto dele lindo e ficava ainda mais bonito quando estava duro. Meu pai continuava a me dar banho só que agora ele se demorava um tempão me lavando e me esfregando todinha principalmente minha bucetinha, eu ainda não sabia o que era tesão, mas sempre adorei a sensação que eu sentia quando ele ficava esfregando o dedo ali. Um dia ele ficou me esfregando tanto que seu pau endureceu e eu perguntei a ele  Papai seu piu-piu tá ficando duro porque você tá com vontade de fazer xixi?  Não meu anjo, ele também fica duro quando o papai lava sua xoxota, lembra quando o papai ficava mexendo na xoxota da mamãe e a mamãe mandava você ficar mexendo nele como ele ficava duro? Respondeu ele.  Lembro sim, mas porque ele fica duro?  Porque é muito gostoso ficar esfregando sua xotinha, se quiser você lavar o pinto do papai e ficar mexendo nele como você fazia antes pode mexer, vai ver como é gostoso  Ah! Então posso lavar ele pra você?  Claro que pode meu anjo, olha, passa bem o sabonete, esfrega bastante, depois pega bem forte e faz assim pra frente e pra trás como a mamãe fazia e com a outra mãozinha pega aqui em baixo no saco do papai e fica apertando bem de levinho, assim oh! Que nem o papai tá fazendo, ele vai ficar bem limpinho e é muito gostoso. Bem pra mim foi a gloria pegar e ficar esfregando com minha mãozinha o pau e o saco do meu pai, o pau dele ficou duríssimo…  Nossa! Papai, olha como ficou duro!!!  É que você faz muito gostoso e o papai gostou muito de você ter lavado ele, agora continua fazendo assim, não para não…Eu era muito ingênua na época só tinha pouco mais de oito anos, mas foi ali que aprendi e bati a primeira punheta pro meu pai, eu ensaboava o pau dele e depois de passar o sabonete eu ficava levando pra frente e pra traz bem rápido até meu pai dizer que já estava bom… Isso virou praxe, todo dia meu pai me esfregava todinha e ficava bastante tempo esfregando o dedo no meio da minha rachinha o pau dele endurecia então eu lavava e ficava batendo punheta pra ele, quando terminávamos o banho papai me enrolava na toalha e me levava no colo até o quarto me punha em pé em cima da cama, me enxugava e depois me vestia ou ficávamos nus como de costume… Decorrido alguns dias depois de me enxugar, meu pai brincando me derrubou de costas na cama abriu minhas pernas e deu um beijo na minha buceta, eu achei aquilo lindo, no outro dia logo pela manha quando acordamos ele estava de pau duro aí começamos brincar de um empurrar o outro pra fora da cama lógico que ele levava vantagem eu pra não cair deitei por cima dele e o agarrei abraçando bem forte seu peito com isso o pau dele se alojou no meio das minhas pernas bem encostadinho na minha buceta eu apertei bem as pernas pra manter ele ali, nisso ele propôs que brincássemos de cavalinho, eu sentava em cima dele e ele ficava jogando o corpo pra cima tentando me derrubar, eu adorei essa brincadeira, pois conforme ele arremessava o corpo pra cima e pra baixo tentando me derrubar minha buceta ficava esfregando nele e me dava uma sensação maravilhosa, depois de alguns minutos nessa brincadeira ele me falou  Levanta um pouquinho que o papai vai fazer uma coisa que você vai gostar muito, eu então levantei um pouco, aí então ele arrumou o pau, abriu os lábios da minha buceta e mandou eu descer o corpo, quando eu desci o pau dele ficou encaixando de comprido no meio dos lábios da minha buceta e conforme eu cavalgava esfregava a buceta pra frente e pra traz no pau inteirinho a sensação era deliciosa eu olhava pra baixo e via a cabeça do pau aparecer e sumir no meio dos meus lábios parecia que o pinto saia de dentro de mim, eu não saberia descrever aqui a sensação, só posso garantir que foi a coisa mais gostosa que senti na vida. Todos os dias de manha passamos a brincar assim, ele me pegava me jogava deitada na cama abria minha pernas e beijava tanto minha buceta que ela ficava bem melada de saliva, o pau dele ficava hiper duro, eu montava nele e eu mesma abria os lábios da minha buceta com os dedos e sentava, o pau ficava encaixado entre os lábios da minha buceta, eu então começava com os movimentos pra frente e pra traz e ele jogando o corpo pra cima o que aumentava mais a pressão do pau dele contra minha buceta, a saliva dele ali deixava bem lisinho e isso me dava uma sensação tão gostosa que dava vontade de ficar ali o dia inteiro, depois eu batia uma punheta pra ele, coisa que eu adorava fazer, eu achava tudo muito gostoso e pra mim que cresci assim era tudo normal. Os meses se passaram e depois que completei nove anos meu pai me falou que não era pra eu comentar com ninguém nossas brincadeiras, pois se eu o fizesse eles me tirariam da companhia dele e eu seria levada pra morar num orfanato onde ficam as crianças abandonadas e sem mãe… Nem preciso dizer do meu pavor e com medo nunca comentei isso com ninguém. Nossas brincadeiras iam a mil, um dia estávamos no sofá da sala vendo tv, o calor estava insuportável e nós dois estávamos pelados, meu pai estava sentado e eu deitada no sofá com a cabeça no colo dele, meu rosto estava bem encostadinho no pinto dele, eu levantei um pouco o rosto peguei o pinto ainda mole e perguntei a ele  Pai posso dar um beijinho no seu piu-piu como a mamãe fazia?  Claro que pode meu anjo, mas acho que você já está uma mocinha e precisa começar a dar os nomes certos, piu-piu e pombinha eram os nomes que sua mãe falava quando você era pequenininha, isto aqui se chama caralho e isso se chama buceta, repete pro papai ver se você aprendeu  Claro que aprendi pai, o seu se chama caralho e a minha é buceta, pai e então, posso dar um beijinho no seu caralho?…, Eu peguei o pinto e fiquei passando por todo meu rosto como minha mãe fazia num gesto de carinho depois dei dois beijinhos bem na pontinha, imediatamente o pau dele endureceu, aí meu pai me disse  Viu como ele ficou duro? Papai adorou, olha o papai vai ensinar você como chupar um caralho bem gostoso… E nesse dia meu pai ficou me ensinando como chupar o pau dele, eu adorei, todo dia eu chupava e batia punheta pra ele, mas quando ele começava a respirar mais acelerado e gemer ele me mandava parar e dizia que já estava bom…. Passado alguns dias no meio de nossa brincadeira de cavalinho ele beijou muito minha buceta e quando eu estava chupando o pau dele ele me falou  olha se você ficar mamando com força e ficar fazendo assim pra cima e pra baixo o leitinho do caralho do papai vai sair na sua boquinha.  Ah! Papai então deixa sair pra mim ver.  Só se você prometer que vai engolir tudo que nem a mamãe fazia  Eu prometo. Comecei a chupar e punhetar como ele tinha me ensinado, o pau dele mal cabia na minha boca, meu dedos em forma de anel não conseguia se fechar em torno do pau, de repente ele começou a respirar mais forte e falou  Isso, chupa filhinha, mama com bastante força no caralho do papai, chupa gostoso que já vai sair leitinho, isso mama bem gostoso, chupa o caralho do papai, chupa que tá quase saindo leitinho, mexe no saco do papai com a outra mãozinha mexe, aaaaiiiiii que gostoso. Meu pai gozou pela primeira vez na minha boca, eu engoli tudo o que deu, pois era muita porra e chegou a escorrer pelo canto da boca, quando acabou eu perguntei a ele  Chupei direito papai, você gostou?  Adorei filhinha, quando você crescer mais você vai ser uma ótima chupadora de caralho, e você, gostou do leitinho do papai?  Ah! Paizinho tem um gosto meio estranho gruda um pouco na boca da gente, mas eu gostei sim, posso fazer de novo pra beber mais?  Filhinha agora não dá, amanha você bebe mais, isso que aconteceu chama-se gozar, o papai gozou na sua boquinha e o nome desse leitinho é porra, o papai encheu sua boquinha de porra e você bebeu toda a porra do caralho do papai  Oba! Você deixa eu fazer o seu caralho gozar porra na minha boquinha todo dia, pra mim beber?, Pai, quando eu ficar grande da minha buceta também vai sair porra? Eu também vou gozar? E meu pai então ficou, horas e horas, me explicando tudo nos mínimos detalhes, sempre usando as palavras, buceta, caralho, pau, porra, me explicou o que era tesão, o que era bater punheta, como tocar siririca, falou sobre meu cabaço, meu grelo, o que era foder e como que era gozar, etc… Eu fiquei maravilhada em saber que quando eu via ele metendo aquele pintão lindo na buceta da minha mãe era porque ele tava fodendo ela pra ela gozar e que quando ele gozava aquela porra que eu acabava de ver sair do pau dele saia dentro da buceta dela e que foi assim que eu fui feita e que eu nasci da buceta da minha mãe, então ele me disse  Olha! O papai promete que vai chupar sua bucetinha todo dia, bastante tempo até você começar a gozar, quando isso acontecer você vai ver como gozar é a melhor coisa que existe no mundo, de agora em diante você pode pegar no caralho do papai sempre que quiser e ficar batendo punheta e toda vez que o papai chupar sua bucetinha depois você bate uma punheta pro papai, quando o papai for gozar você põe ele na boca até o papai gozar, ta bom?… E daí em diante meu pai começou a chupar minha buceta todo dia, ele ficava um tempão chupando ela principalmente meu grelo, a sensação que eu sentia é indescritível, um dia de repente começou a me dar uma coisa que eu nunca tinha sentido antes, minha buceta parecia que estava crescendo e ficando enorme na boca dele, meu grelinho duro como uma rocha, uma coisa foi correndo por minha espinha e explodiu na minha buceta  Ai paizinho, ai que delicia… ai … ai… não para paizinho… chupa paizinho, chupa minha buceta com força, chupa no meu grelinho…aaaaaiiiiii… Pai eu acho que eu to gozando, aaaaaiiiii pai, que delicia que é gozar…, Gozei pela primeira vez aos dez anos de idade na língua experiente do meu pai…. Depois desse dia eu não dava mais sossego ao meu pai, eu queria chupar o pau dele e bater punheta pra ele toda hora pra ele gozar na minha boca eu fiquei viciada em beber a porra dele depois pedia pra ele chupar minha buceta até eu gozar na boca dele. Os fins de semana então era tudo de bom, pois meu pai ficava em casa o sábado e o domingo inteiro todo dedicado a mim, ele me levava pra passear, me comprava tudo o que eu pedia e era só chegar em casa para tirarmos as roupas e começar as brincadeiras, eu adorava ficar vendo tv segurando ou brincando com o pau dele e ele geralmente esfregando o dedo bem de leve no meu grelinho, isso me dava um tesão enorme, ele me fazia gozar todo dia varias vezes me chupando ou durante nossa brincadeira de cavalinho ou mandando eu bater siririca pra ele ver enquanto ele batia punheta. Logo meus pentelhos começaram aparecer e meus peitinhos pareciam dois corocinhos, meu pai dizia que tinha que chupar eles bastante pra eles crescerem logo e ficarem bonitos…. Eu lógico que deixava e adorava…. Daí em diante meu pai foi me ensinando tudo, um dia ele chegou em casa e disse que tinha uma surpresa pra mim, ele tinha comprado um vídeo cassete e trouxera junto umas fitas pornô, fiquei extasiada vendo aqueles cacetes enormes fodendo aquelas bucetas lindas, fiquei num tesão tão grande que dava vontade de enfiar um caminhão dentro da minha buceta, meu pai notando meu tesão ficou chupando minha buceta enquanto eu assistia ao filme, – Papai era assim que você fodia a mamãe né?  Era sim meu anjo a buceta da sua mãe era parecida com aquela ali, o papai fodia ela todo dia, lembra?…, Meu pai nesse dia gozou duas vezes uma comigo chupando o pau dele e outra ele mesmo batendo punheta vendo eu tocar siririca, eu então gozei umas cinco vezes assistindo os filmes e vendo meu pai bater punheta…..  Papai você vai me foder como você fodia a mamãe?  Vou sim meu anjo, Papai só está esperando você crescer mais porque o pau do papai é muito grande e grosso pra sua bucetinha e o papai não quer te machucar…  Ah! Tenta só um pouquinho vai, se doer eu falo…  eu deitei abri bem as pernas e com os dedos arreganhei minha buceta pro meu pai me foder, ele então colocou a cabeça do pau na portinha e foi empurrando devagarzinho, mas quando a cabeça do pau dele tava quase entrando começou doer muito e pedi pra ele parar que eu não ia agüentar, então ele pediu pra mim ficar como estava só com a cabecinha do pau forçando e ficou batendo punheta na boca da minha buceta e eu tocando siririca, quando ele gozou eu senti a porra quentinha inundar e melar minha buceta todinha, gozei no mesmo instante. Daí em diante nossas brincadeiras sempre acabavam assim, com meu pai forçando só a cabeça do pau na minha buceta e gozava batendo punheta nela, eu adorava, pois enquanto ele batia punheta a cabeça do pau ficava esfregando no meu grelo… O tempo foi passando quando fiz doze anos menstruei pela primeira vez, não foi espanto algum, pois meu pai já tinha me prevenido e explicado que isso um dia aconteceria… Ele quando soube fez uma festa danada, disse que agora eu era uma mocinha de verdade e que tínhamos que tomar cuidado com nossas brincadeiras e eu passei a tomar vacina anti concepcional… O tempo passou, eu batia punheta pro meu pai, chupava o pau dele ele me chupava e batia punheta na portinha da minha buceta, ficávamos assistindo tv comigo sentada no colo dele ou deitada no sofá de costas pra ele bem encaixada nele e sempre com o pau dele no meio de minhas pernas, o mais próximo possível da minha buceta. A coisa que eu mais adorava e adoro até hoje é pegar o pinto dele e ficar esfregando a cabeça do pau dele no meu grelinho e passando a cabeça pra cima e pra baixo entre os lábios da minha buceta, isso me deixa alucinada de tesão foram varias vezes que eu gozei assim. Bem, eu já era agora, com quatorze anos uma exper em matéria de sexo, na pratica com meu pai e na teoria vendo os filmes que ele alugava e assistíamos batendo punheta, eu estava completamente viciada em sexo, afinal eram seis anos de muitas brincadeiras, minha única frustração era não ter fodido ainda, pois eu tava doida de vontade de sentir o pau do meu pai inteiro dentro da minha buceta, mas ele com medo sempre dava um jeito de gozar só brincando. Certo dia eu acordei num tesão sem limites, minha buceta formigava e se contraia sozinha de vontade de meter, passei o dia todo encharcada, não via a hora de acabar a aula pra mim chegar logo em casa, chegando em casa corri pro quarto tirei a calcinha e bati uma siririca, depois coloquei só um vestidinho por cima do corpo e fui cuidar dos meus afazeres, quando a empregada foi embora corri ligar o vídeo cassete pra assistir uns filmes, gozei mais duas vezes esfregando meu grelo, mas nada parecia me satisfazer, assim que meu pai chegou falei a ele  Paizinho, posso te pedir uma coisa?  Pode me anjo, o que você não me pede rindo que eu não te dou chorando, disse ele brincando e rindo.  Paizinho, me fóde, eu quero muito ser fodida hoje, por favor pai, me fóde, tira meu cabaço, Paizinho, eu quero tanto sentir seu caralho dentro da minha buceta, estou que não agüento mais, hoje já gozei três vezes tocando siririca mas minha buceta parece que ta pegando fogo, preciso muito do seu caralho me fodendo, paizinho se você me foder, prometo virar uma puta bem vagabunda como você gosta, veja como ela tá melada… Deitei no sofá e abri ao maximo minha buceta e fiquei contraindo ela pra ele ver – Ele então ficou olhando pra minha buceta ali escancarada e me falou  Tudo bem, acho que tá na hora mesmo de você perder o cabaço e começar a me dar a buceta, vamos fazer o seguinte, vou chupar bem gostoso sua buceta.

Está é só a Primeira parte, se voces gostaram votem e escrevam que enviarei o restante, beijos;

Aninha

Referência do Anúncio ID: CT-000033411

Não há Tags

18975 visualizações, 0 hoje

  

Deixe seu Comentário

É necessário fazer login para poder inserir um anúncio.

Para obter informações sobre este anúncio, preencha o formulário abaixo para enviar uma mensagem para o anunciante.

Informações deste Autor

  • Autor: aninha
  • Membro desde: 30 de maio de 2003

Contos publicados por aninha

Últimos itens anúnciados por aninha »

Novidade!

Usuarios Ativos

Users: Rute, 84 Guests, 28 Bots