Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | Entrarrss

 

 

Minha mulher para os pedreiros

  • Publicado em: 13 de setembro de 2005 13:57
  • Expira: Nunca!

Detalhes do Conto Erotico:

Somos um casal bastante atraente, pois tenho um metro e oitenta, moreno, corpo atlético e ela uma loura maravilhosa em seus vinte e seis anos, com uma bunda e umas pernas de fazer inveja a qualquer mulher. Sempre gostamos de sair fantasiando e ela com roupas bem decotadas para nos exibirmos

Ao lado do nosso apartamento sempre teve um terreno, que as vezes até nos incomodava pois o pessoal jogava lixo e o mau cheiro vinha direto a nossa varanda, que ficava de frente para o terreno. Até por esse motivo, mandei fechar a varanda, toda em vidro combinando com a janela do quarto que ficava ao lado o que acabou ficando mais reservada se fechada com as cortinas.

Entretanto vimos certo dia o terreno ser limpo e começarem a obra de um edifício o que para nós, foi muito desagradável visto que perderíamos a privacidade, dada a proximidade do terreno.

Durante alguns meses tudo transcorreu normalmente e quando a obra já estava bastante adiantada e na altura do nosso apartamento é que tudo começou a acontecer.

Tínhamos chegado no sábado de manhã de uma balada muito boa a noite passada e acabamos transando e como estávamos meio altos com a bebida acabamos pegando no sono. Acordei por volta das nove horas da manhã e fui direto ao banheiro. Nem percebi que havia deixado a janela do quarto aberta e com a s cortinas encolhidas. Quando voltei do banheiro , fui a cozinha beber água e de lá acabei por chegar a varanda, quando vi vários operários na ponta do prédio em construção, em frente a nossa janela. Estranhei e voltei ao quarto e vi a Bia, dormindo profundamente toda escancarada e os operários todos olhando.

Fui escondido e sem que me vissem, fechei as cortinas , acabando o show.

Fiquei puto e pensei em reclamar com o engenheiro da obra, mas acabei deixando para lá, pois só haveria de criar mais problemas. Voltei para sala e acabei perdendo o sono. Vi que estava excitado mas achava que porque tinha acabado de acordar.Então aconteceu uma coisa estranha, pois de cinco em cinco minutos eu chegava ao quarto para ver se a Bia, já havia acordado e ela continuava dormindo profundamente. Então num ato impensado acabei por abrir as cortinas novamente. Corri para a varanda e me abaixei, vendo o que ocorreria. Em um breve tempo já havia alguns operários novamente no lagar estratégico , que não deveria ter mais de três metros de distancia da cama da Bia. Eles olhavam comentavam e de repente um deles pos o pau para fora e começou uma punheta o que logo alguns acompanharam. Voltei ao quarto e vi a Bia, de bruços,toda arreganhada em direção a janela e ainda em um sono profundo. Então comecei a me masturbar imaginando como se fosse um operário. Depois de gozar duas vezes, voltei a fechar a janela e o dia se seguiu.A Bia acordou e eu nada contei. No domingo pela manhã acordei e dei um salto para janela, mas a obra estava parada. Esperei até a segunda pela manhã , não sem antes a noite de domingo convencer a Bia a dormir peladinha. Segunda pela manhã, acordei mais cedo e abri a janela e as cortinas. A Bia continuava dormindo e tudo aconteceu de novo. Os operários mal chegaram e foram já para a frente da janela. Novamente a nossa cessão de punhetas . Fui trabalhar e não pensava em outra coisa e a noite quando pedi a Bia que dormisse de novo peladinha ela me perguntou o que estava acontecendo. Acabei contando tudo pois não havia outra alternativa. Ela no início retrucou me chamando de maluco e que aqui era a nossa casa e que poderia ser perigoso, mas acabei convencendo-a a fazer uma vez mais para ela sentir.E assim foi feito, na terça de manhã ela acordou mais cedo e foi ao banheiro e quando eu entrei ela estava raspando toda a bucetinha e me disse: – Se é para mostrar, que esteja bonita, não é? . Eu nem respondi de tanta ansiedade e voltei para a varanda de onde poderia ver tudo melhor. Ela deitou como se estivesse dormindo, só que de costas e com as pernas viradas para a janela. Me chamou para abrir a cortina e pude observar que a boceta já estava toda molhadinha.Abri e corri para a varanda onde podia observar tudo sem ser notado. Desta vez tinha uns cinco operários que quando viram quase enlouqueceram . De repente todos botaram o pau para fora e começaram a se masturbar. Eu voltei ao quarto e vi a Bia com dois dedinhos enfiados na boceta e a outra mão massageando o grelinho. Não demorou muito e ela começou a gozar alucinadamente e os operários também já chamando ela de gostosa , vadia e outros nomes. Quando todos quietaram, inclusive eu, corri a fechar a janela e voei para cima da cama onde transamos alucinadamente, acabando por chegar atrasado no trabalho.

A noite conversamos sobre o acontecido e acabamos por decidir, parar por ali, pois poderia chamar a atenção dos vizinhos. Na quarta pela manhã quando acordei lembrei que tínhamos acertado de não mais fazer nada e fui trabalhar.Passei o dia fantasiando sobre a obra e não conseguia tirar isso da cabeça. Cheguei em casa arrasado, cansado e quando a Bia chegou notei uma expressão estranha em seu olhar, mas fiquei quieto. Mais tarde ela me perguntou: – Você pensou na obra hoje meu bem ?. Fui-lhe sincero e disse que não tinha parado de pensar o dia inteiro, no que ela me disse: – Eu também não parei de pensar e até no trabalho, fui ao banheiro me masturbar duas vezes para me aliviar. Perguntei o que faríamos e ela disse que no outro dia me prepararia uma surpresa. Nem dormi direito e pela manhã quando estávamos perto da hora ela me mandou para a varanda e disse que eu só fosse ao quarto quando ela chamasse. Foi o que fiz apesar de parecer uma eternidade. De repente da varanda eu vejo chegar os operários e daí a mais um pouco começarem a por os paus para fora e bater punheta. Fiquei curioso para saber qual a surpresa, mas em pouco tempo já havia esquecido e já estava concentrado na minha punheta quando ouço ela me chamar.Fui correndo até o quarto e vejo ela com um vibrador enterrado até o talo na bucetinha e com os dedos enfiando em seu cuzinho e a outra mão em seu grelinho. Era uma cena maravilhosa e só de olhar acabei gozando. A bia se contorcia em gozo e não queria acabar nunca. Os operários enlouqueceram e faziam o movimento como se fossem se jogar pela nossa janela.

Aquilo durou uma meia hora mas que parecia uma eternidade e quando fechamos a janela, demos a maior transada de nossas vidas. Fui trabalhar e na volta resolvi parar na frente da obra para ver se reconhecia alguns dos observadores. Como eles não haviam me visto , não tinha problema. Estava olhando para dentro da obra quando fui pego de surpresa por um dos peões, que me interpelou: – O Sr. Quer alguma coisa Dr.?. Eu me peguei desprevenido e sem saber o que dizer falei: Eu moro aqui perto e preciso fazer umas reformas em casa e estava procurando um eletricista e um pedreiro, que quisesse fazer o serviço. Logo ele gritou para dentro da obra: – Tonhão ,Ferrero, o Dr. Aqui está querendo fazer um serviço!.

Quando vi já estava cercado pelos dois em pé na janela do carro. Acabei por inventar uma história que faria uma reforma em casa e precisava fazer um orçamento. Eles se prontificaram e perguntaram quando eu queria o orçamento. Eu sem saber o que dizer acabei por marcar no sábado pela manhã encontrando-os na construção as 08:00h. Quando entrei no edifício ao lado eles ficaram olhando. Cheguei em casa e não contei nada a Bia. Queria resolver esse problema eu mesmo. Mas a medida que eu pensava, acabava fantasiando aqueles operários vendo a Bia nua bem de pertinho e até podendo tocar nela. Mas não conseguia falar uma palavra para Bia. Sexta a noite saímos e fomos a uma boate e a todo hora a bia me perguntava o que eu tinha pois estava calado e ansioso . Disse que era alguns problemas no trabalho , mas nada de mais e que deveríamos beber para aliviar a tensão.Pedi uma garrafa de champagne e depois outra e outra. Com o fim da terceira a Bia já estava bastante alta e eu como fazia de conta que bebia ainda estava em plena consciência . Saímos da boate as quatro da manhã e quando chegamos em casa a Bia estava a toda. Me agarrou e comecei a lhe chupar a bocetinha, mas não queria que ela gozasse. Me levantei e peguei na geladeira uma garrafa de vinho e acabamos bebendo. Fiz que estava quase dormindo e ela falando que queria gozar, brincava com ela mas não deixava chegar aos finalmente. Já deveriam ser umas sete da manhã quando ela pegou no sono e peladinha como eu queria.. A virei de bruços e coloquei um travesseiro por baixo dela fazendo-a empinar ainda mais sua bundinha maravilhosa. Abri bem as pernas e tirei o lençol da cama deixando-a toda exposta. Mudei a roupa e corri para a obra onde encontrei os dois operários , mesmo antes do combinado. Chamei-os a entrar no prédio e subimos o elevador, a medida que chegávamos ao apartamento, meu coração parecia que ia explodir. Entramos e para a surpresa deles, viram que era o mesmo apartamento que pegavam o lance todo dia. Começaram a cochichar entre si . Expliquei que eu trabalhava a semana toda viajando e só vinha no final de semana e que minha mulher estava querendo mudar algumas coisas na sala, cozinha,quartos etc e que eu faria isso ´para compensá-la pela minha ausência.

Eles sentaram na sala e eu entrei para ver como estava a Bia. Maravilhosamente estática com aquela bunda entreaberta podendo-se ver o cuzinho rosado e logo abaixo aquela boceta deliciosa ainda pingando de tesão.

Encostei a porta de forma que ficasse uns dois dedos aberta e saí. Voltei a sala e e comecei mostrando a cozinha e pedindo para que eles analisassem os paredes e eletricidade , para me darem sugestões , na reforma. Quando ainda estávamos na cozinha, fiz meu cel tocar com o despertador e o atendi como se fosse uma ligação. Falei durante alguns minutos e falei para os dois continuarem a inspeção que eu sairia e voltaria em 15 minutos. Eles falaram que voltariam depois mas eu disse que não , que depois eu teria que sair. Que eles analisassem tudo e me aguardassem, que em 15 minutos eu voltaria. Deixei-os na cozinhe fiz que tinha saido pela porta da frente , voltei rapidamente e entrei no quarto , indo me esconder no guarda roupas que fica de frente para o quarto todo. Aguardei os cinco minutos quando vejo um deles chegar até a porta. Ele tomou um susto e quando viu que a Bia estava dormindo, chamou o outro. Logo os dois estavam dentro do quarto e quase em cima da Bia. Ora eles abaixavam e olhavam a boceta de Bia de pertinho, ora eles encostavam o rosto pertinho para cheirar aquele néctar. De repente um deles abaixou para cheirar a Bia e escorregou se esbarrando nela. Eles levantaram e correram até a porta mas vendo que ela continuava dormindo, voltaram. Tiraram os paus para fora e ai eu pude ver o do eletricista, parecia uma cobra, grande e fino e o do pedreiro era grande , mas a grossura era o que impressionava com uma cabeçorra vermelha.começaram a bater uma punheta quando o pedreiro resolveu passar a mão na bunda da Bia. Começou alisando bem devagarzinho mas vendo que ela não acordava, começou a descer a mão e passar na bocetinha dela. O outro logo quis também passar a mão e começou a boliná-la. Meu pau já estava duro como uma pedra e comecei uma punheta também.

Eles então a viraram e nada de ela acordar. Na virada as pernas se abriram e a boceta ficou toda aberta, com o grelinho aparecendo. O Pedreiro não agüentou e começou a chupá-lo e a Bia em estado alcoólico não se deu conta de acordar e começou a gemer . Os gemido foram aumentando e ela gozando, foi quando o eletricista já chupando os peitinhos dela, levantou e enfiou o pau na boca da Bia que começou a chupá-lo , mas como se estivesse dormindo e sonhando. Então o pedreiro preparou o cacete na entradinha da boceta da Bia e começou a forçar. Fiquei sem reação pois, achei que deveria impedir, mas como sair do armário sem me complicar?. Foi quando a Bia acordou de vez e começou a gritar. Os dois levantaram e começaram a explicar o que tinha acontecido e que todos os dias tinha-na visto e estavam loucos de tesão.A bia , já desconfiando que era armação minha, disse que fossem até a sala e aguardassem. Eles foram imediatamente. Quando ela levantou, eu saí do armário dando outro susto nela. Acabei de novo tendo que explicar tudo e ela me disse: – Por isso ontem você não me fez gozar, não foi?. Eu disse que sim e ela , me falou : – Pois agora eu vou fazer o que quiser com eles e você vai ter que deixar. Já ia me escondendo de novo no armário quando ela me chamou e disse: – Você vai ter que contar para eles que você é corno e que gosta que outros homens comam sua mulher na sua frente e que você armou isso tudo. E vai contar na minha frente.

Nisso ela me empurrou para sala e quando eu apareci os dois quase morreram de susto.

Me sente e comecei a explicar, quando a Bia entrou na sala, nua e foi em direção a eles sentando no colo dos dois que ficaram me olhando. Ela então disse agora conta tudo e a medida que eu falava ela já com as pernas abertas , começava a beijar cada um deles na boca que logo nem me ouviam mais. Colocaram a Bia no sofá e quando o Pedreiro ia enfiar a Bia pediu para ele me falar: – Corninho vai pegar umas camisinhas para gente fuder sua mulher. Eu fui no quarto e quando voltei a Bia já estava de quatro chupando o pau do pedreiro como se fosse um picolé. Com aquela cabeça vermelha ela se deliciava passando a língua para logo depois enfiar até o fundo da garganta. Quando eu déia camisinha para o eletricista, ele colocou e enfiou de vez naquela boceta. A Bia deu um grito de prazer e empinou ainda mais a bunda para trás. Foderam a Bia de todos os jeitos No cuzinho, na bocetinha, fizeram uma dupla penetração ( a primeira dela ) , gozavam em sua boquinha e a cachorra adorava, ficava brincando com a porra acabava engolindo.As vezes ela me chamava e me dava alguns beijos que eu sentia o gosto da porra dos caras. Ficavam revezando entre sua boceta e cuzinho para sempre gozarem em sua boquinha Os peões não acreditavam no que estavam acontecendo, uma putinha daquela qualidade a disposição dos dois. Foi quando um deles disse: – O pessoal não vai acreditar nunca na gente. E a Bia na sua loucura disse : – Vai sim venham aqui e correu para o quarto, abrindo as cortinas e escancarando as janelas. Eu corri para impedir e ela falou: – Você não queria me ver fodendo com outros , não armou para virem até aqui, pois daqui em diante eu vou dar para todos da obra e você vai ter que olhar. E assim chamou o pedreiro e o eletricista para a cama. Corri para me esconder na varanda e quando o pessoal da obra viu o que estava acontecendo, correu todos para frente da janela e foi uma arruaça só. De repente eu vejo os três me chamando e me mandaram ficar ao lado da janela para que todos vissem o corno. Acabei ficando pois não tinha alternativa. Alguns até quiseram vir para o apartamento mas a Bia chegou na janela nuazinha e disse:- Meus amores de hoje em diante até terminar a obra eu sou de vocês, mas não me prejudiquem pois eu moro aqui e não posso ficar mal falada. Só vou andar nua de agora em diante, para o deleite de vocês e de vez em quando vou ai na obra para brincarmos um pouco, mas se vocês souberem se comportar, e não ficar gritando ou tentar vir ao apartamento. Peçam o que quiserem que eu faço para vocês baterem todo dia uma punhetinha, e me aguardem que eu vou dar para todos vocês ai. Mas com o meu corninho do lado,: -Não é amor? . Olhando para mim que acenei com a cabeça. Foi quando ouvi alguém gritar: -Obrigado Dr. . Olhei e era o peão que tinha falado comigo na entrada da obra. Não sei porque mas me senti reconfortado e dei com a mão acenando e recebendo vários acenos em resposta.

Assim a Bia conseguiu botar ordem na casa e acabou cumprindo todas as suas promessas , razão pela qual a obra atrasou de montão.

Mas isso já é uma outra historia.

Referência do Anúncio ID: CT-000026806

Não há Tags

7866 visualizações, 0 hoje

  

Deixe seu Comentário

É necessário fazer login para poder inserir um anúncio.

Para obter informações sobre este anúncio, preencha o formulário abaixo para enviar uma mensagem para o anunciante.

Novidade!

Usuarios Ativos

Users: Petala Parreira, 73 Guests, 20 Bots