Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | Entrarrss

 

 

NA FAZENDA DO CHEFE VIREI CORNO

  • Publicado em: 3 de dezembro de 2015 09:29
  • Expira: Nunca!

Detalhes do Conto Erotico:

By: Marcelo

O que vou relatar aconteceu em julho de 2004, tenho 38a, sou casado com Adriana de 31a, 1.68, 61 kg, morena clara, malhada, tímida e muito bonita. Os homens olham muito para ela, o que às vezes a deixa embaraçada. Sou engenheiro e trabalhava numa empresa em Goiânia. Meu chefe Dr. Armando, um homem de 48a, moreno forte, alto, boa pinta, separado e muito safado. Sempre rolava um papo dele saindo com funcionaria ou fornecedora. Tínhamos uma relação cordial. As vezes que ele encontrou Adriana foram bastante gentis. Numa quinta-feira apos uma reunião o chefe me perguntou onde iria passar o feriado de sexta-feira. Disse que provavelmente em casa. Ele convidou para passar o final de semana na sua fazenda. Falou que iriam outros amigos. Agradeci o convite e fui para casa almoçar. Falei com Adriana, ela achou legal. Quando voltei fui a sua sala Dr. Armando. Informei que Adriana tinha gostado da idéia, que chegaríamos lá na manha de sexta-feira. Ele disse: nada disso, vai para casa e arruma suas coisas, vai hoje, estou indo daqui a pouco, é melhor ir logo, e passar a noite lá. O melhor de uma fazenda é o final do dia… Fiquei indeciso. Ele sorriu e falou: vai antes que eu mude de idéia. Sai e fui para casa. A fazenda, não ficava muito longe, antes do final da tarde estávamos lá. Dr. Armando tinha chegado. A casa era grande e confortável. Adriana estava alegre. À noite depois do jantar, ficamos vendo televisão, Dr. Armando abriu uma garrafa de vinho tinto e ficamos bebendo. Ele nos chamou para a sala, estava frio, acendeu o fogo da lareira. O clima era aconchegante, a segunda garrafa de vinho fazia efeito e já estávamos mais descontraídos, tínhamos sentado no tapete, olhando o fogo e conversando. Tocava uma musica lenta… Adriana levantou e foi ao banheiro, ela raramente bebe, quando voltou vinha dançando com a taça na mão como se fosse uma pessoa, acompanhando a musica. Dr. Armando levantou e perguntou-me: Posso dançar com sua mulher? Sua pergunta me pegou surpresa, minha reação foi de imediato, claro! Ele pegou a taça da mão dela e me entregou e começou a dançar. Levantei e sentei numa poltrona e fiquei olhando. Ele a conduz lentamente ao ritimo da musica. Adriana deixava levar. Aos pouco ele foi trazendo ela para junto de dele, corpos colados. Dançaram quatro musicas. Adriana colocou a mão no ombro dele e o afastou delicadamente. Parando de dançar. Minha surpresa maior foi quando Dr. Armando veio em direção ao fogo, ele vestia uma calça de moletom que deixava a mostra seu pau duro, fazendo um grande volume na calça. Aquilo foi um muro no meu estomago, fiquei frio e sem reação. Ele sentou no tapete, ela veio e sentou ao meu lado no sofá e ficamos conversando. Quando acabou o vinho da terceira garrafa, ele perguntou se queríamos beber mais. Disse que não, que amanhã gostaria de levantar cedo. Despedimos e fomos para o quarto. Existia um clima diferente, acho que estava um pouco nervoso. Adriana calada. Fechamos à porta, tiramos às roupas, a abracei e comecei a beijar… Ela estava bêbada e tarada. Logo estava na cama, na maior foda. Chupava sua xoxota, ela me chupava… Ela pedia para eu entrar nela logo… Quando entrei nela, ela estava muito excitada, fiquei bombeando com carrinho, devagar, sentindo toda sua xana quente e receptiva… Ela estava em êxtase… Quando comecei a bomba forte, com profundas estocamos, ela começou a delirar e falar coisa, a pedir para chamá-la de putinha safada… Coisas que ela pede quando estamos nas nossas melhores transas… Ela começou a gozar, a me chamar de Armando… A falar: fode Armando, fode, fodeee… Enterra tudo… Ai… Fode… Fode sua puta… Vou gozar… Fiquei louco de tesão e gozei… Acordamos de madrugada, nus e com frio… Entramos embaixo do cobertor e ficamos abraçados… Estava muito excitado, fudemos de novo… Na manha seguinte acordei. Adriana ainda dormia. Levantei sem fazer barulho. Dr. Armando estava sentado tomando café. Ele perguntou como tinha passado à noite. Disse que estava tudo bem. Ele falou que o pessoal não viria mais, de modo que só ficaríamos-nos na fazenda no final de semana. Era ainda cedo, ficamos conversando, ele disse que tinha ficado muito impressionado com Adriana, que eu era um funcionário excelente, que se eu quiser poderia ir embora, pois ele não responsabilizava pelo que poderia vir acontecer, ele disse que estava sendo claro e direto, pois me considerava um homem jovem, de mente aberta, que eu entenderia exatamente onde ele estava querendo chegar. Fiquei calado. Adriana levantou e veio se juntar a nos. Depois de uns quinze minutos, Armando disse que iria sair de carro, mas voltava para o almoço. Adriana colocou um biquíni e ficamos na beira da piscina tomando sol. Quando ele chegou o almoço foi servido. Depois do almoço, fomos para nosso quarto, falei para Adriana que era melhor a gente ir embora, como não viria mais ninguém não me sentia muito à-vontade para ficar só com Dr. Armando no final de semana. Ela olhou para mim e disse… Celo seja esperto, ficar sozinho um final de semana com o chefe é o sonho de todo funcionário. Eu não quero ir embora estou adorando essa fazenda. Mais uma vez meu estômago embrulhou, fiquei nervoso e disse que iria pegar uma água. Dr. Armando estava na rede na varanda, falei que não iríamos embora. Ele sorriu e disse: vocês vão adorar, Fico feliz. Durante a tarde fiquei muito tenso, não conseguia relaxar, parecia que o tempo não passava que a noite não chegava. A noite chegou e foi à mesma coisa, jantar, televisão, vinho e fogo na lareira. Adriana estava mais morena, o sol tinha queimado sua pele, estava linda com um vestido branco de malha colado ao corpo, e um tamanquinho de salto médio. Dr. Armando não para de olhar para ela que sorria. Dr. Armando colocou uma musica dançante e a convidou para dançar. Depois eu dancei com ela. Ela adora dançar, depois ele dançou de novo… Eu estava dançando com ela, o vinho deixava todos a vontade. Dr. Armando veio por traz dela e abraçou a gente, fizemos dela um sanduíche, dançando, ela começou esfregar a bunda na rola dele, lentamente e depois mais rápido. Ele largou a gente e ajoelhou-se atrás dela, levantando seu vestido e começou a beijar suas pernas, sua bunda… Ela parou de dançar, colocou a mão em meu ombro e virou a frente para ele… Como seu vestido estava levantado ate a cintura, eu peguei o vestido e o tirei por sua cabeça, deixando-a de calcinha fio dental e tamanco. Dr. Armando começou a beijar suas coxas, a beijar sua xoxota por cima da calcinha… Logo Adriana estava deitada no meio do tapete e ele lhe comendo com a boca… Parecia a dois loucos, eu olhando, sentado no sofá. Meu pau quase arrebentando a calça de tanto duro… Logo Dr. Armando tirou a calcinha dela e me entregou. Abriu bem sua perna e começou a chupar sua xoxota. Ela olhava para mim e sorria em delírio, seus olhos brilhavam… Logo ele tirou a roupa, fiquei louco quando vi o tamanho da rola dele, nunca tinha visto um pau igual, devia ter uma 23 cm, escura, grossa, cabeçuda… Ele ficou passando a rola na cara dela. Ela tentava chupar… Ele deitou ao seu lado, Adriana lhe deu uma deliciosa mamada, seu pau não cabia direito em sua boca… Ele a colocou por cima dele, e fizeram um 69… Depois ele subiu sobre ela e começou pincela com o pau a entrada de sua xoxotinha… Logo ela pedia para ele entrar nela… Me fode… Me fode, – pedia desesperadamente – me chama de putinha safada… De vadia… Dizia às palavras que falava para mim quando transávamos… Eu só olhava, tinha medo daquela tora machucar minha esposa. Tirei minha roupa. Batia uma punheta lentamente… Ele foi penetrando aquela grutinha molhada e apertadinha… Adriana se contorcia… Tenho que confessar que tive inveja, meu pau mede 14 cm, o dele era o dobro em tamanho e grossura… Ele foi entrando devagar… Ela começou a gozar… A gritar… Ele dizia… Goza safada… Putinha… Piranha… Goza vai… Vai… Ela gritava… E ele metia mais, enterrou tudo nela… Ela gemia, ele cavalgava… Metia em minha mulher como se fosse dele, e nem tomava conhecimento de minha presença… Ficou dento dela uns quinze minutos… Eu gozei e fique olhando ele comendo ela… Ela gozou de novo… Ele começou a gozar a dar urros fortes e a chamar de todos que era nomes… Depois ele parou, respirou fundo… Ela estava desfalecida… Ele levantou e pegou ela pelos braços e ela agarrou ao pescoço dele, ele olhou para mim e fez um sinal com a cabeça para acompanhá-los, ele a levou carregada para seu quarto… Colocou na cama e começou a beijar seu corpo e passar a língua em suas pernas… Ela estava excitada, muito tarada… Sentei na cama de solteiro ao lodo, já não agüentava mais, já tinha gozado uma vez, logo gozei de novo, meu pau ficava duro… Ele comendo ela com a boca… Logo estava comendo ela de novo… Não sei o que aconteceu… O vinho e a excitação… Acabei dormindo… Deixando minha mulherzinha desprotegida e só com aquele homem na cama ao lado, só a ouvia dizendo longe… Fode meu macho, fode sua puta… Fode, fode… Fode… Acordei, já era tarde da noite, os dois estavam abraçados, ela aninhada sobre os braços dele… Fiquei olhando a cena, bati outra punheta, eles mexeram, fiquei olhando o pau dele, como era grande e bonito, fiquei muito excitado… Tive vontade de pegar, não tive coragem… Virei para o lado e acabei dormindo de novo… Na manha seguinte acordei com Adriana gritando no banheiro, corremos os dois para lá… Ela estava no vazo choramingando… Dizia que estava muito dolorida, que a urina estava ardendo muito sua xoxota, que estava toda rasgada… Ele a pegou de novo nos braços elevou para sua cama… Abriu suas pernas… Ficamos olhando, realmente a xoxota de Adriana estava toda inchada e vermelha, os lábios estavam muito salientes… Ele disse que iria fazer uma massagem com a boca… Que ela iria fica bem, começou a passar a língua devagarzinho… Com carinho… Adriana foi abrindo a perna e ele beijando sua xoxotinha… Limpando delicadamente cada canto, olhando cada detalhe… Eu estava louco de excitação o vendo cuidar da xoxotinha dela… Logo Dr. Armando estava com ela toda na boca e Adriana pedindo a ele para penetrar nela… Ele abriu a pernas dela com as duas mãos… Deixando ela toda arreganhada… Ela chorava e pedia para ele meter logo… Logo Dr. Armando começou a meter nela… Eu muito tenso, batia uma punheta… Ele olhou para mim e disse: Goza corninho safado… Corno filho da puta… Goza… Vadio… Goza… Aquilo me deixava louco de tesão. Ele a comia e olhava para meu pau… Gozei como nunca… Fiquei com aquelas palavras na cabeça… Corninho safado filha da puta… Neste final de semana Dr. Armando comeu Adriana de todo que foi jeito… Fudeu o cuzinho dela… Gozou em sua cara… Bateu muito na cara dela com a pica dura… Gozou na boca dela… Fez dela uma verdadeira puta, escrava sexual… Varias vezes me chamou de corno, uma hora estávamos a sós, ela estava no banho, ele disse: um dia desses vou pegar você… Aguarde-me… Eu estava tão envolvido naquilo tudo, que fiquei mudo… Voltamos para casa no domingo à tarde… Ela olhava para fora do carro… Como se olhasse para o vazio… Suspirou e disse: Somos doidos, você gosta de sua putinha… Olhei para ela e falei: Adoro. Agora mais que nunca… Ela me beijou no rosto… Durante uns seis meses Dr. Armando comeu Adriana. Muitas vezes eu estava viajando, ele passava a noite com ela em nossa casa. Outras vezes, ele me chamava em sua sala, fechava a porta, ligava para ela ficava conversando… Nestes dias ele me mandava abrir sua braguilha, colocar o pau dele para fora e chupar… Fazia isso comigo varias vezes por semana, gozou muitas vezes na minha cara e na minha boca… Acabei sendo seu escravo sexual… Outras vezes me chamava em sua sala, tirava minha calça, eu debruçava sobre sua mesa e ele chupava meu cu, enfiava o dedo, ate eu gozar… Nunca tive coragem de dar para ele, tinha vontade, mas era muito grande e aquela rola pertencia a Adriana e tinha que respeitar. Ela nunca soube que eu o mamava… Depois Dr. Armando foi transferido para uma obra na África, sai da empresa e ficamos sem nosso amante. Se algum macho, ativo, dotado, discreto ficar a fim de me fazer de escravo, vou adoro, acabei aprendendo a dar o cu gosto, gemendo feito a Driquinha de meu coração.

Escritor:
xerife

Codigo do conto:
11957

Data do Envio:
22/03/2011

Referência do Anúncio ID: 424565e56d64958c

8384 visualizações, 0 hoje

  

Uma Comentário para “NA FAZENDA DO CHEFE VIREI CORNO”

  1. Adorei sua história… Muito excitante tenho vontade tbm de ter um amante assim!!!

Deixe seu Comentário

É necessário fazer login para poder inserir um anúncio.

Para obter informações sobre este anúncio, preencha o formulário abaixo para enviar uma mensagem para o anunciante.

Novidade!

Usuarios Ativos

Users: 242 Guests, 12 Bots