Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | Entrarrss

 

 

O INICIO DE TUDO

  • Publicado em: 28 de dezembro de 2016 07:10
  • Expira: Nunca!

Detalhes do Conto Erotico:

Por motivos óbvios, podem me chamar de Nat Silva, já que não quero ser identificada e adoro discrição. Como já sabem, sou casada a 6 anos, não tenho filhos e tenho anos. Sou natural do interior daqui do estado da Bahia. Moro aqui em Salvador há anos e apendi amar essa cidade linda e cheia de contrastes. Meu marido será chamado aqui de Danilo. Ele trabalha em Aracajú, em uma estatal e fica lá por 14 dias em alto mar e fica dias aqui em Salvador em terra firme.

Nossa relação sempre foi maravilhosa no início. Depois de 3 meses de namoro fomos morar juntos e depois de um ano nos casamos. Nos dois anos iniciais eu não tenho do que me queixar. Sempre fui tratada com muito carinho. Ele me comia pelo menos duas vezes por dia e quatro vezes na semana. Me sentia totalmente satisfeita e preenchida. Ele é um negro, alto, atlético (porque se cuida muito) e de uma pica grande, grossa e muito gostosa. Adorava quando ele metia em mim e me chamava de cachorra. Quando ele me comia, eu gemia tão alto que os vizinhos comentavam comigo, quando nos reuníamos pra conversar. Mas, com o tempo, as coisas começaram a mudar.

Infelizmente, aquele homem atencioso e que me desejava, passou a desaparecer lentamente. Não namorávamos com a mesma frequência e até o carinho passou a esfriar. Depois que chegava de viagem, Danilo não ficava mais em casa comigo, como anteriormente fazia. Sempre arranjava um jeito de sair com amigos e ficava fora até altas horas. Parecia me evitar. Chegou um tempo em que fazíamos amor uma vez por semana e quando acontecia, era mecânico e sem paixão. Ele gozava rápido e eu ficava arrasada.

Aquela situação em consumia por dentro. As vezes eu ficava tão necessitada, que tinha que perguntar se ele não queria me comer. Ele só fazia uma cara de revolta, por estar sendo cobrado e colocava outro assunto em questão, só para mudarmos o tom da conversa.

O tempo passava e eu comecei a me sentir deprimida. O desinteresse dele me fez pensar várias coisas, inclusive, que ele tinha outra na rua. Depois de uns 6 meses nessa situação, conversei com a cunhada dele sobre o assunto e decidi que ia sair de casa. Eu não suportava mais a falta de interesse a amor em nosso casamento. A cunhada dele, a quem vamos chamar de Débora, sempre me aconselhou a pensar duas vezes antes de decidir pelo divórcio, porque o Danilo me proporcionava uma vida de rainha, financeiramente falando. Mas, o que adianta termos uma vida financeira abastada, e não termos uma boa convivência? Odeio a vida de aparências!

Certa noite, percebi que ele não ia sair e estava deitado assistindo TV. Então chamei-o para conversar e evitarmos um fim trágico para o nosso casamento, pois, no fundo, eu não queria me separar porque tenho sentimentos por ele. Durante a conversa, ele fez promessas de melhorar, mas, não senti verdade. Pelo contrário, senti muita apatia. Naquele momento, vi que tinha chegado o fim. Passei a noite chorando muito, como era rotineiro depois que nosso casamento tinha chegado nesse extremo.
No dia seguinte, ele iria voltar ao seu trabalho e passaria mais 14 dias em alto mar e eu ficaria em casa sozinha. Então, comecei a arrumar minhas coisas depois que ele saiu, porque estava realmente decidida a ir embora daquela casa e a recomeçar minha vida em outro lugar.

Depois que arrumei algumas coisas, fui ao banco para fazer uns pagamentos e retirar algum dinheiro. Eu queria comprar passagem para ir a minha cidade natal, no interior (uns 490 km de Salvador), onde pretendia iniciar uma nova vida. Foi quando tudo mudou.

No banco, encontrei uma amiga que não via a muitos anos. Foi ótimo encontra-la! Depois do banco fomos a um restaurante para conversar e relembrar os velhos tempos. E durante a conversa, ela se abriu como era sua vida. Ela passou a relatar como estava seu casamento e a situação era muito semelhante a minha, diferia apenas por um detalhe; era estava com uma cara ótima e eu com um semblante desfigurado de tanto chorar e sofrer. Percebi que durante o nosso papo, o celular dela não parava de chegar mensagens no zap e ela olhava as mensagens com uma cara bem safada e ria. Eu estava super-curiosa, quando ela começou a me mostrar as mensagens e eu entendi o porque dela estar tão bem; eram mensagens de vários caras que ela saía. Eram mensagens onde eles enviavam fotos de nudes pra ela. Fiquei superexcitada com algumas.

Então ela contou realmente o que estava acontecendo com as seguintes palavras:
Alice – “Amiga, meu marido não me valorizava. Por isso, decidi usar roupas que provocassem. Eu queria ter certeza que o problema não estava em mim, e sim no meu marido. Desde então, comecei a ser assediada e a passei a escolher com quem quero me envolver, apenas para sexo e nada mais. Eu mantenho meu casamento e seus benefícios, mas, me satisfaço com outros, naquilo que meu marido e deficiente.”

Eu fiquei sem palavras. Ela falou de uma forma tão convincente, que fiquei pensando mil coisas naquele momento.
Ela perguntou como era minha vida e eu só falei coisas boas e depois que terminamos, cada uma foi para o seu lado. Mas, aquela conversa mudou minha forma de pensar. Cheguei em casa e comecei na possibilidade de conhecer alguém que me desejasse e fosse discreto, pois, eu não queria um outro relacionamento. Apenas queria ser comida e continuar casada com o Danilo, que era quem eu amava.

Fiquei pensando durante horas em alguém que eu desejasse, mais que fosse discreto e não contasse essa situação para outra pessoa e eu ficasse exposta. Pensei em vários amigos e sempre que chegava a uma conclusão, o medo tomava conta de mim e eu recuava.
Decidi desarrumar minhas malas e deitei um pouco para descansar. Coloquei um filme e peguei no sono. Depois de um tempo, por volta das 14:00, o interfone tocou e ao atender, vi que era um amigo do interior que estava passando uns dias na cidade, a quem vamos chamar de Edu. Mandei ele subir e o atendi na porta, porque o Danilo não gosta que eu receba visitas masculinas, quando ele não está em casa.

Foi ótimo ve-lo! Tínhamos uns 3 anos sem nos vermos e depois de um abraço forte, dei uma cadeira pra ele sentar no corredor e fiquei sentada na porta. Eu estava tão emocionada com a visita, que esqueci de colocar a calcinha. Eu estava a vontade por estar em casa; Um vestido bem colado e transparente e sem nada por baixo. Foi quando o Edu me fez um elogio.
Edu – “Nat, você está linda! Adorei a recepção! Lembrei da época que tomávamos banho de rio juntos!”

Aquele comentário me deixou constrangida, ao mesmo tempo que percebi que o Edu estava de pau duro. Falei que tinha esquecido de por uma roupa, pois estava dormindo. Pedi licença e entrei para colocar uma roupa composta. Enquanto me vestia, comecei a pensar que o Edu poderia ser a pessoa que eu estava procurando para ser meu amante. Então, resolvi criar coragem e ser bem direta.

Quando cheguei na porta, ele estava rindo e eu perguntei o motivo e ele disse:
Edu – “Em outras épocas, você não teria tanta cerimonia comigo. Voce lembra?”
Nat Silva – “Lembro sim. Mas isso tem muito tempo.” (Ele etava fazendo referencia a época em que tomávamos banho de rio nus, com a nossa turma lá no interior, na adolescência e as vezes nos beijávamos rsrs)
Edu – “E uma pena que o tempo passa e a gente não pode voltar atrás.”
Nat Silva – “A gente pode não voltar atrás, mas, podemos fazer coisas que não fizemos naquela época. O que você acha?”
Nesse momento ele ficou em silencio. Parecia não acreditar na pergunta que eu fiz. E eu fiquei com aquela cara de ansiedade, esperando uma resposta dele. Foi então que ele fez a pergunta mais óbvia do mundo:
Edu – “E seu marido? Voce tem certeza que está disposta?”
Nat Silva – “Tenho sim. Meu marido está viajando e só volta daqui uns 13 dias.”

O Edu ficou tão animado que queria entrar em minha casa e eu impedi, porque algum vizinho poderia ver e contar para o Danilo, já que ele tem muitos amigos aqui no condomínio. Então eu disse:
Nat Silva – “A gente pode marcar pra se encontrar no Salvador Shopping e de lá você me leva pra outro lugar.”

Então, marcamos de nos encontrarmos as 20:00 no Shopping, pois o Danilo sempre liga por voltadas 19:00 pra saber o que estou fazendo, e então, daria tempo de conversar com ele e sair pra mudar minha vida. E assim aconteceu.

Passei a tarde me preparando. Nem fiz refeições porque tinha em mente fazer tudo que tinha direito. Estava disposta até a dar meu cú pra ele, dependendo do tamanho da pica.
O estranho é que o Danilo não ligou e esperei até o último instante e nada. Então, resolvi sair as 19:45 de casa para encontrar o gostoso do Edu.

E como combinado, o Edu estava lá na praça de alimentação do 2º piso do Shopping Salvador. Ele é branco, estatura mediana, cabelos lisos e magro. Estava bem arrumado e super cheiroso. Eu estava com um vestido curto preto e com uma lingerie que eu pretendia usar com o Danilo, mas, pelos motivos que vocês já sabem, ainda não tinha conseguido usar. A lingerie era preta também. Um sutiã que só cobria o biquinho dos meus seios e uma calcinha fio dental, que confesso que estava me incomodando, porque dividia os lábios da minha buceta.

Ele pediu um lanche e eu recusei. Então ele perguntou:
Edu – “Porque não quer comer nada?”
Nat Silva – “Porque se eu comer, vai atrapalhar no que eu quero dar pra você rsrsrs”
Logo ele entendeu e pediu para guardar o lanche, para podermos sair logo do Shopping e irmos direto ao motel. Escolhemos ir ao Del Rey.

Foi engraçado quando chegamos lá, porque ainda nem tínhamos nos beijado na boca e já estávamos no motel. Depois que entramos no quarto, ele nem permitiu que fossemos ao banho. Já me agarrou e me beijou na boca. Ficamos um bom tempo só nos beijando e acariciando. Eu pedi a ele que tirasse minha roupa e ele obedientemente o fez. Ficou louco quando viu a lingerie e ficou ainda mais quando tirou minha calcinha e percebeu que estava toda cremosa de tanto tesão rsrsrsrs.

Voltamos a nos beijar e ele começou a tocar minha buceta, passando as mãos bem devagar, me deixando ainda mais excitada. Adorei quando ele arreganhou bem as minhas pernas e enfiou aquela língua bem quente na minha buceta. Eu chorava de tanto tesão e estava gozando desvairadamente, mesmo ainda nas preliminares. Depois de um tempo sendo chupada por ele, chegou o momento em que me pediu para sentar na cama e ficou ali, de pé, bem na minha frente, com aquela pica enorme e cheia de veias pulsando, e passou ela bem na minha cara e disse: “Chupe agora minha cachorra!”

Aquelas palavras mágicas parecem ter me libertado. Enfiei aquela pica na boca e a medida que ele tentava enfiar tudo, fazendo com que eu engolisse, eu quase me engasgava, e mesmo assim continuava com aquela coisa enorme na minha boca. Ele me perguntava: “Tá gostando safada?” “Quer mais, minha putinha?”

E aquilo ia me enlouquecendo mais, até que ele falou: “Agora deite que eu quero sentir minha pica dentro de você!” E eu obedeci, como uma verdadeira puta, submissa ao seu macho.
Ele abriu bem minhas pernas e depois de ter colocado o preservativo, começou a enfiar bem devagar. Abrindo minhas entranhas pouco a pouco. O fato de ter uma pica bem grossa e grande dentro de mim, incomodou inicialmente, causando uma certa dor e um certo desconforto. Porém, depois de umas metidas bem devagar e com calma, acostumei e comecei a gostar. A cada metida, eu soltava gemidos involuntários e não sei como, estava muito molhada. Mais até do que nas preliminares. Minha buceta babava! Pela primeira vez estava com outro homem na cama, traindo meu marido, sem que ele soubesse de nada. Eu estava em êxtase!
Depois, ele me colocou de quatro e começou a passar a pica bem na porta do meu cú. Eu disse que não estava preparada, porque não tinha trazido um gel para anestesiar o cú e eu não sentisse dor. Eu já tinha sentido dor na penetração vaginal, imagine na anal! Fiquei com medo e segurei um pouco. Então, ele enfiou na minha buceta, ali de quatro mesmo e passou a bombar bem forte. A cada bombada, eu delirava e depois de poucas metidas, lá estava eu gozando novamente rsrsrsrs. Enquanto ele bombava, ia enfiando o dedo em meu cú, como se quisesse alargar, para facilitar quando me comesse. Lembro que depois de enfiar um dedo, ele passou a enfiar dois, e depois 3, para que eu me acostumasse. Eu estava gostando tanto, que nem me importei com aqueles dedos enormes em meu cú. Depois de umas bombadas, gozei de forma tão louca, que perdi todas as minhas forças. Ele me deitou e meteu até gozar também.

Ficamos deitados conversando e nos recuperando, pois, eu ainda queria mais. Enquanto estávamos deitados, meu marido ligou e eu tive que atender. Já eram mais de 22:00 e parecia estar desconfiado. Ele nunca tinha ligado tão tarde.
Então ele perguntou onde eu estava e depois perguntei porque ligou tão tarde e ele me respondeu: “Porque o espanto? Está fazendo algo que eu não possa saber?”
Nesse momento gelei, porque parecia que ele estava sabendo de alguma coisa. Então, passei tranquilidade e conversamos normalmente. Enquanto eu e Danilo conversávamos, o Edu começou a me pirraçar, passando a mão em meu clitóris e depois começou chupar minha buceta. Eu estava me desconcentrando na conversa co meu marido e pedi para o Edu descontinuar, embora estivesse muito gostoso. A sensação de estar sendo chupada, falando com meu marido ao celular era maravilhosa!
Meu marido achou que a minha conversa estava estranha e pensou que eu estivesse com sono e se despediu. E eu e Edu, continuamos no motel até as 02:00, onde fui comida e dei minha buceta bem gostoso pra ele.
Fomos pra casa e todos os dias que ele passou aqui em salvador, eu dei pra ele. O Edu me comeu praticamente por 5 dias seguidos. Depois ele teve que voltar pra cidade natal e eu fiquei aqui, contudo, minha vida toda mudada a partir daquele momento. Porque agora eu sabia que era maravilhoso e tinha coragem para dar pra quem eu quisesse.
Alguns dias depois, conheci o Elias na praia, mas fica pra próxima

Referência do Anúncio ID: 530584063502f833

Não há Tags

10817 visualizações, 0 hoje

  

4 Comentários para “O INICIO DE TUDO”

  1. ADOREI SEU CONTO E JÁ TIVE NAMORADA QUE TRANZAVA EU E OUTRO HOMEM COM ELA TENHO 53 ANOS VOU PASSAR MEU WHATS 12 98123 7898, SÓ PARA MULHER QUE GOSTE, MORO EM TAUBATÉ ESTADO DE SP OU ATÉ QUEIRA VIR MORAR COMIGO

  2. belo conto adorei muitas mulheres passam por situação parecida e ficam deprimidas não se cuida mais perde a vaidade,vc descobriu outros horizontes …..sou negro tenho 1,72 68kg olhos pretos ,cabeça raspada,um homem simples do interior de sp procuro por mulheres na faixa de 33 a 45 anos de idade solteiras ,separadas ou viuvas que queiram viver uma relação afetiva aberta sem frescuras meu whats 11 99612-7898…

  3. Belo conto meu zap se você quiser 51997297212

  4. Maravilhoso! Estou no 71 98726-9071

Deixe seu Comentário

É necessário fazer login para poder inserir um anúncio.

Para obter informações sobre este anúncio, preencha o formulário abaixo para enviar uma mensagem para o anunciante.

Novidade!

Usuarios Ativos

Users: Homem com Pegada, 102 Guests, 27 Bots