Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | Entrarrss

 

 

Recordando os velhos tempos

  • Publicado em: 8 de fevereiro de 2014 00:59
  • Expira: Nunca!

Detalhes do Conto Erotico:

(escrito por Meg)
Como já expliquei nos primeiros contos que escrevi, eu nasci em uma cidade do interior, cidade pequena, família grande. Éramos seis irmãs e três irmãos. E nas casas ao lado da nossa, dezenas de primos. As idades eram muito parecidas, se bem que eram dois grupos bem distintos, um já adolescente e o outro ainda meninos e meninas.
Na adolescência é que começavam as brincadeiras com uma conotação sexual. Brincar de médico era o que se fazia de melhor. Era assim que descobríamos como eram nossos corpos, como eles se modificavam. Educação sexual nas escolas não existia. Os livros de ciências, quando falavam do corpo humano nunca mostravam um corpo de verdade, só desenhos, muitas vezes mal feitos. E a curiosidade surgia e nada melhor do que os primos e primas para descobrirem por si mesmos… e ali foram dados os primeiros beijos…
As brincadeiras não chegavam ao ato sexual. Os médicos consultavam as doentes, faziam-nas ficar nuas, pegavam, observavam, mas nada além disso. Da mesma forma, quando os “doentes” iam procurar as “enfermeiras”, também se desnudavam e tinham seus corpos percorridos pelos dedos curiosos.
Eu confesso que sempre fui das mais safadinhas, apesar de morrer de medo de acontecer alguma coisa! Mas eu sentia prazeres enormes quando era “consultada” pelos primos doutores. Se pegavam em meus peitinhos mal nascidos, eu me arrepiava toda. Se passavam a mão na minha xoxota, eu ficava molhadinha. Mas o meu prazer maior era quando bancava a enfermeira e podia pegar nos pintinhos dos primos. Bem, alguns não eram tão pintinhos assim, eram belos pintos, quase virando galos! E logo eu descobri que se ficasse brincando com eles, eles endureciam. Nem preciso dizer que minha primeira opção profissional seria ser enfermeira, eu ficava imaginando quantos pintos eu poderia pegar!
Bem, o tempo passa, a gente cresce, alguns primos se mudam para a capital, outros se dedicam a tarefas rurais por ali mesmo, as meninas arrumam namorados e se casam. Foi o que aconteceu comigo. Mas nunca esqueci os bons tempos da adolescência.
Depois de um ano casada com o Kaplan, e já bem doutrinada em termos sexuais, eu voltei à minha cidade. Não havia mais ninguém da minha família original lá, então me hospedei na casa de uma tia. E passeando pelo quintal, enorme! eu redescobri os locais das brincadeiras. E estava lá olhando, quando um primo chegou perto de mim, me abraçou e perguntou o que eu estava fazendo.
Falei que estava recordando os bons tempos. Ele me mostrou um galpão que havia no fundo do quintal.
– Lembra do que a gente brincava lá?
– Se lembro! Médicos e enfermeiras a granel! Se a gente soubesse naquela época o que sabe hoje, já imaginou que farras teríamos feito?
– Outro dia eu estava pensando nisso.
Ficamos parados, encostados numa cerca, olhando para o galpão. Acho que tivemos a mesma ideia.
– Paulo, vamos lá no galpão?
– Você quer mesmo?
– Tô com vontade, você não está não?
– Prá dizer a verdade, estou sim.
Então saímos correndo em direção ao galpão. Não havia quase ninguém na casa e com certeza ninguém ia aparecer por ali. Entramos. Tudo parecia igual.
– Você vai ser o médico ou eu a enfermeira?
Ele não respondeu. Me abraçou e me beijou, levantou minha blusa e pegou nos meus seios. Puxa! Senti o mesmo arrepio que sentia antes! Entendi que ele seria o médico, então deixei ele me consultar à vontade.
E ele beijou meus seios, tirou meu short e minha calcinha, ajoelhamo-nos frente a frente e depois me fez deitar num monte de capim e chupou minha xotinha. Isso era novo! Antigamente apenas passava a mão, pelo visto ele aprendera coisas novas e interessantes!
Abaixou a calça e pude ver que o pintinho havia virado um belo pau. E ele já foi enfiando, metendo de ladinho e depois virou o corpo e eu fiquei sentada nele. E logo senti o quentinho do leite dele se derramando dentro de mim.
Nossa! Tinha sido bom demais! Ainda ficamos deitados lá um tempo, conversando, nos acariciando. Aí ouvimos alguém gritar o nome dele. Ele se vestiu e saiu rapidinho, mas não sem antes eu combinar com ele que no dia seguinte eu seria a enfermeira e iria dar um tratamento que tinha aprendido na capital e que ele ia adorar!
No dia seguinte, quando chegamos ao galpão, eu o deitei, tirei a calça dele e fiz um boquete que ele gostou tanto que gozou na minha boca! Safado!
Mas tivemos muitas chances de recordar os bons tempos!

Referência do Anúncio ID: 1152f4c7196cec1

   

4488 visualizações, 0 hoje

  

Uma Comentário para “Recordando os velhos tempos”

  1. Eu tbm brinquei muito de médico e enfermeira com uma prima…enqto a família “confraternizava” na sala, eu encoxava ela no pátio.. acabei comendo ela e a tia, mas outra hora eu conto com mais detalhes!

Deixe seu Comentário

É necessário fazer login para poder inserir um anúncio.

Para obter informações sobre este anúncio, preencha o formulário abaixo para enviar uma mensagem para o anunciante.

Novidade!

Usuarios Ativos

Users: 82 Guests, 19 Bots